Saiba o que é a Depressão Endógena – 02.05.2017

Saiba o que é a Depressão Endógena – 02.05.2017

A depressão endógena é um transtorno do estado de ânimo que se caracteriza por uma tristeza, desesperança e apatia acentuadas. No entanto, a causa da depressão endógena difere daquela da depressão reativa. Nesta, não existe uma situação externa desencadeadora, ela se deve a fatores internos ou psicobiológicos.

Ela é causada por uma alteração ou mudança estrutural na bioquímica cerebral; por outro lado, na depressão reativa existe uma relação evidente entre a situação desencadeante e o começo do transtorno, sendo o motivo desencadeante o núcleo central da depressão.

A falta de causas externas identificáveis pode dificultar a compreensão da doença por parte das pessoas próximas daquele que sofre e da própria pessoa doente. Um desequilíbrio na química do nosso cérebro é suficiente para nos mergulhar em uma profunda tristeza, que nem nós mesmos entendemos, mas da qual não podemos escapar sem ajuda.

— A química da depressão

Na depressão endógena ocorre uma diminuição acentuada da serotonina, assim como na exógena, mas neste caso ela não é causada por fatores externos, e ocorre de maneira natural. Neste tipo de depressão há um elevado componente genético, embora este “apenas” aumente as probabilidades de sofrer de depressão, e não a determine. Existem várias hipóteses que relacionam vários neurotransmissores com a depressão.

A hipótese noradrenérgica postula que a depressão se deve a uma deficiência funcional da noradrenalina nas sinapses cerebrais. Uma das conclusões que reforçam essa teoria é que a privação do sono, concretamente da fase REM, tem efeitos antidepressivos e isto se deve a um aumento da sensibilidade dos receptores de noradrenalina.

A serotonina tem um papel muito importante de regulação do equilíbrio do nosso corpo, modulando a ativação excessiva. O déficit deste neurotransmissor, juntamente com o déficit funcional catecolaminérgico, pode provocar um estado depressivo. Além disso, há estudos que demonstram a reação entre a diminuição de serotonina e a tendência ao suicídio.

— Sintomas típicos da depressão

Existem diferentes sintomas de depressão, e nem todo mundo sofre dos mesmos, mas a sintomatologia típica da depressão é:

. Sintomas anímicos: a tristeza é o sintoma por excelência da depressão. Também pode incluir irritabilidade, sensação de vazio ou nervosismo. Há uma redução acentuada de emoções positivas.

. Sintomas motivacionais e comportamentais: estado geral de inibição que se traduz em apatia, indiferença e anedonia.

. Sintomas cognitivos: ocorre alteração na memória, na atenção e na capacidade de concentração. Além disso, o conteúdo da cognição é alterado pela aparição da autodepreciação, sentimento de culpa e perda de autoestima.

. Sintomas físicos: são comuns problemas com o sono, como a insônia ou a hipersônia. Também podem aparecer a fadiga, a perda de apetite, uma diminuição de atividades e do desejo sexual.

. Sintomas interpessoais: existe uma grave deterioração nas relações interpessoais, chegando inclusive ao isolamento.

Embora estes sintomas possam se apresentar em qualquer um dos tipos de depressão maior, existem algumas diferenças na forma como os sintomas são apresentados e, acima de tudo, na sua intensidade. A depressão maior, seja reativa ou endógena, é incapacitante e dificulta as relações sociais e o desempenho no trabalho, embora a endógena geralmente seja mais séria.

— Sintomas próprios da depressão endógena

Apesar de ambos os tipos de depressão (reativa e endógena) compartilharem majoritariamente os mesmos sintomas, também existem diferenças. As depressões endógenas têm sintomas mais vegetativos, como por exemplo a taquicardia. Os sintomas são mais graves, com maior probabilidade de pensamentos suicidas. Além disso, na maioria dos casos é possível identificar uma variação sazonal dos sintomas e um despertar precoce.

A pessoa sente uma tristeza mais intensa, intrusiva, desproporcional e penetrante. Além disso, a tristeza é acompanhada de uma anedonia acentuada, ou, em outras palavras, uma incapacidade para sentir prazer. Há uma perda de reatividade, a pessoa não consegue reagir emocionalmente perante os sucessos positivos importantes.

A tristeza endógena não é modificável de forma voluntária, apesar dos esforços. Por não existir nenhuma causa justificável sobre qual a terapia possa focar, os fármacos são a primeira escolha de tratamento; é que ela responde muito bem aos antidepressivos. Combinar a terapia farmacológica com a intervenção psicológica no começo do tratamento pode ser a melhor ferramenta para abordar o problema e depois ir aos poucos estabilizando o quadro sem remédios.

— Antidepressivos são vilões da saúde

De acordo com um estudo da McMaster University, os benefícios destes medicamentos não compensam seus possíveis riscos, que incluem até mesmo a morte prematura em pacientes idosos. As informações são do jornal Daily Mail. Os antidepressivos servem para aliviar os sintomas de depressão e, para isso, eles elevam os níveis de serotonina no cérebro, o que melhora o humor e a disposição. No entanto, boa parte de serotonina que o corpo produz é usada para outros fins, incluindo a digestão, formação de coágulos de sangue em locais com feridas, reprodução e desenvolvimento.

Segundo pesquisa publicada no jornal Frontiers in Psychology, estes, medicamentos tiveram efeitos negativos sobre a saúde de todos os processos normalmente regulados pela serotonina. Isto incluiu um maior risco de problemas de desenvolvimento em crianças, problemas com a função sexual, problemas digestivos, sangramento anormal e acidente vascular cerebral em idosos.

“Precisamos ser muito mais cautelosos sobre o uso disseminado dessas drogas. É importante porque milhões de pessoas são prescritos antidepressivos a cada ano, pensando que essas drogas são seguras e eficazes”, alertou o líder do estudo e biólogo Paul Andrews.

— Entrevista

O psiquiatra Rubens Coura alerta que os antidepressivos podem levar o doente a subestimar os problemas e a transferir suas culpas para os outros.

O psiquiatra e psicanalista Rubens Hazov Coura, 50 anos, estuda há mais de 20 as pessoas que tomam antidepressivos. Formado pela Universidade de São Paulo (USP) e mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), sua principal tarefa é analisar com muita atenção os relatos dos pacientes. Foi a partir dessa análise que Coura se deu conta e identificou dois efeitos nocivos dos remédios antidepressivos: a indiferença e a persistência da destrutividade. “São efeitos terríveis. Não são evidentes e o paciente não fala deles”, diz. Essas descobertas, que fazem parte de suas atuais pesquisas para a tese de doutorado, o uso abusivo dos antidepressivos e as falhas nos diagnósticos de quem sofre de depressão estão nesta entrevista concedida por Coura a ISTOÉ.

ISTOÉ – Quais são os efeitos nocivos dos antidepressivos?

Rubens Hazov Coura –São dois efeitos terríveis, diferentes dos efeitos colaterais do antidepressivo. Um deles é o fato de a pessoa ficar aquilo que os familiares chamam de indiferente. Ela não está mais deprimida, não fica chorando todos os dias, sem querer sair de casa. Mas ela fica outra pessoa. Isso é um horror. É abominável.

ISTOÉ – Como é essa indiferença?

Rubens Hazov Coura – O paciente fica como se fosse uma outra pessoa porque o antidepressivo induz a um contentamento que não depende dos fatos da vida. Ele não fica contente porque conseguiu se formar na faculdade, porque teve um bom resultado no trabalho ou porque a família vai indo bem. Não fica feliz porque conquistou coisas, que é o natural. Ele se contenta por ação química. Os fatos da vida dele são os mesmos. E também não houve um amadurecimento emocional para aceitação de eventuais fatos nocivos e desagradáveis. Está tudo igual. O medicamento induz ao contentamento indiscriminadamente. Por isso que digo que é a ação do antidepressivo.

ISTOÉ – Isso é maléfico?

Rubens Hazov Coura – Pode ser muito maléfico porque a pessoa, muitas vezes, não fará as coisas que tem de fazer para obter um contentamento na vida.

ISTOÉ – Por exemplo?

Rubens Hazov Coura – Alguém que vai prestar um vestibular para entrar numa faculdade com a qual sempre sonhou. Sob o efeito do antidepressivo ele pode se contentar com qualquer uma porque está contente por antecipação. A pessoa não espera o fato da vida acontecer para ficar contente. Já está contente por ação química. Então ela ou nem presta vestibular, como eu vi. “Para que vestibular?”, pensa. Ou deixa de querer a faculdade que pretendia.

ISTOÉ – Qualquer pessoa que toma antidepressivo passa por isso? Depende da dosagem, do tempo que se toma, de uma predisposição genética?

Rubens Hazov Coura – Isso nós não sabemos ainda. Mas ocorre com muitas pessoas. O mecanismo exato, que leva a essa indiferença, é uma das coisas que quero apurar em meus estudos atuais. Vi gente perder o emprego, empresários perderem a própria empresa…

ISTOÉ – O sr. pode contar o caso de um empresário?

Rubens Hazov Coura – Um deles, por exemplo, tinha uma empresa, com mais de 40 empregados, que funcionou muito bem durante anos. Depois de algum tempo, começou a ir mal e precisou se adaptar à situação econômica do País. Por conta disso, o empresário ficou deprimido e foi medicado com antidepressivo. Ele ficou mais contente, sem que nada no sistema da empresa dele tivesse mudado. Nada. Ele começou a não se importar mais com as queixas dos funcionários, com a queda nas vendas, com o sócio desleixado. E arrumava explicações para as coisas: “Ah, meu sócio está trabalhando mal porque ele está muito desgastado. Afinal ele é humano” ou “Os empregados estão insatisfeitos, mas hoje em dia eles reclamam muito mesmo?” Ele não fez nada para melhorar as coisas e perdeu a empresa.

ISTOÉ – O empresário não se deu conta do que estava passando?

Rubens Hazov Coura – Ele tinha explicação boa para tudo. Estava muito otimista, diferente de antes. O antidepressivo deveria fazer ele aceitar melhor as deficiências da empresa para poder saná-las e não deixar que ele perdesse o negócio.

ISTOÉ – Há outros casos?

Rubens Hazov Coura – Havia um outro que passou a se desinteressar pela educação dos filhos, apesar de sempre ter-se preocupado com isso. Queria que o filho passasse em determinada faculdade, etc. e com o tempo começou a ficar indiferente a isso.

ISTOÉ – Uma pessoa que tenha pavor da morte pode passar a sentir uma indiferença a ponto de achar que tanto faz viver ou morrer?

Rubens Hazov Coura – Isso não deve ocorrer. A indiferença tende à alegria. A pessoa não vai pensar em pular do prédio. Vai pensar que não há com o que se preocupar, que a vida é boa.

ISTOÉ – Qual o outro efeito nocivo?

Rubens Hazov Coura – Ele se dá como se apenas uma parte da pessoa reagisse de forma não depressiva. Em psicanálise nós falamos que na depressão existe uma fúria sádica do sujeito contra ele mesmo, que o faz querer se autodestruir. O antidepressivo pode agir somente numa parte disso. Ou seja, a pessoa sai daquele estado triste, mas permanece a fúria sádica, só que não mais contra si, mas contra alguém próximo.

ISTOÉ – O que é esta fúria sádica?

Rubens Hazov Coura – É aquilo que leva o depressivo a se culpar. Ele se acha a pior das pessoas, acha que fez tudo errado, que agiu mal. Essa é a fúria sádica contra si mesmo. Sob o efeito do antidepressivo, ele pode ficar contente e essa fúria se voltar contra alguém próximo.

ISTOÉ – Ele culpa alguém pelos males do mundo?

Rubens Hazov Coura – É como se outra pessoa, e não mais ele, tivesse de ser punida. Mas ele não fala isso claramente.

ISTOÉ – É como se a destrutividade persistisse, só que voltada para o outro?

Rubens Hazov Coura – Sim. E não era uma característica da pessoa antes de estar deprimida e tomar o medicamento. Passa a ser. Lembro-me de um paciente que começou a fazer de tudo para arruinar a vida da esposa. Ela trabalhava numa empresa dele e ele deu um jeito de rebaixá-la de cargo. Deu um jeito de o filho, que era o queridinho dela, ir para fora de São Paulo estudar no lugar mais longe que ele achou. Vendeu o título do clube que ela gostava e que ele sempre achou muito bom. Fazia tudo para restringi-la. Quando ele saiu da depressão, parou com tudo isso.

ISTOÉ – Como o antidepressivo faz isso?

Rubens Hazov Coura – De alguma forma ele pode melhorar só uma parte da depressão. Nesse caso que citei, a melhora seria ele não mais se julgar culpado de coisas que não fez. Voltar a fazer as coisas que gostava. Isso ele voltou, só que junto com isso passou a tratar a esposa assim.

ISTOÉ – É fácil detectar esses distúrbios?

Rubens Hazov Coura – Numa consulta rápida não dá. Vai parecer que está tudo bem e na verdade não está.

ISTOÉ – Como o sr. se deu conta dessas ações maléficas?

Rubens Hazov Coura – Por meio do acompanhamento prolongado dos pacientes e de uma observação mais profunda, percebendo o que o paciente refere, como ele refere. O paciente não fala delas. E não são claras até para o profissional porque a pessoa, afinal, não está mais deprimida. Não é simples perceber que aí pode haver algo de muito errado.

ISTOÉ – Qualquer antidepressivo pode causar esses problemas?

Rubens Hazov Coura – Provavelmente sim. Já vi com os novos (pós-Prozac) e com os clássicos.

ISTOÉ – Os antidepressivos são ministrados de forma abusiva?

Rubens Hazov Coura – Sim. Não é só psiquiatra que prescreve. Em alguns locais do mundo, como Estados Unidos e Inglaterra, cerca de 60% das prescrições de antidepressivos são feitas por clínicos gerais, ginecologistas, cardiologistas, entre outros. No Brasil, provavelmente, é parecido porque não há estatística confiável que eu conheça a esse respeito aqui.

ISTOÉ – Receitar antidepressivo deve ser exclusividade do psiquiatra?

Rubens Hazov Coura – Claro, pelo conhecimento que ele tem da área. E não é qualquer psiquiatra. É o profissional que vai acompanhar o paciente ao longo de meses. Mas o que muitas vezes se vê aqui é assim: a pessoa tem uma receita e, quando acaba, pede para um médico qualquer ir renovando o medicamento. Ela vai fazer uma consulta num gastroenterologista e aproveita e pede a receita do antidepressivo que o psiquiatra passou há meses. Isso sem falar nas pessoas que se automedicam. Alguém que comprou o remédio, mas não quer tomar mais e dá a caixa para o primo, para o colega de escritório.

ISTOÉ – Os antidepressivos são o segundo tipo de remédio mais vendido no mundo. Isso acontece porque realmente há milhões de pessoas deprimidas ou há também muito marketing?

Rubens Hazov Coura – Existem milhões de deprimidos, mas há influência da propaganda. Eu acredito que isso induz o paciente a extorquir do médico uma receita de antidepressivo.

ISTOÉ – O médico colabora com essa extorsão porque cede ao pedido do paciente.

Rubens Hazov Coura – A maioria dos médicos tem boa vontade de atender. Não fica fascinada com medicamentos novos porque já viu medicamentos que prometiam muito e não cumpriam. A população é mais vulnerável a essa propaganda. Vejo entusiasmo dos leigos e não dos médicos. Como o médico vai negar uma receita para um paciente que está solicitando um remédio para melhorar, mesmo que ele não acredite muito no medicamento?

ISTOÉ – Esse profissional não tem a consciência de que dando o antidepressivo ele pode não ajudar o paciente?

Rubens Hazov Coura – Creio que ele não saiba disso. Porque se a pessoa já vem tomando o medicamento e não fez mal, não deu efeitos colaterais, ele imagina que esteja indo bem. É um raciocínio aceitável.

ISTOÉ – O sr. vê falhas nos diagnósticos?

Rubens Hazov Coura – Sim. Há pessoas que sofrem de angústia, mas são tratadas como se fossem deprimidas. É claro que o resultado não pode ser muito bom.

ISTOÉ – Qual a diferença entre a angústia e a depressão?

Rubens Hazov Coura – A angústia é aquela irritabilidade, nervosismo. A pessoa brava, impaciente, que não consegue se concentrar. Trata-se com tranquilizante e psicoterapia. Já o deprimido sente tristeza, melancolia. É uma pessoa mais quieta, parada, com falta de iniciativa.

ISTOÉ – E o que pode acontecer com as pessoas que não têm depressão, mas tomam antidepressivos?

Rubens Hazov Coura – Elas podem ficar mais angustiadas ainda. Dependendo do medicamento, ele pode ajudar um pouco na angústia, mas não tem o tratamento adequado. Não há uma melhora efetiva. Mas existe o oposto também. Pessoas que pensam em embelezamento, plásticas, musculação, e não percebem, às vezes, que estão escamoteando uma angústia, uma depressão. Fazem um verdadeiro culto da aparência. Por isso, você vê pessoas deprimidas, angustiadas, que vão cuidar do corpo. As mulheres, por exemplo, mais frequentemente, querem fazer uma plástica rejuvenescedora. Nunca ouvi falar numa mulher que, por estar mais jovem, bonita, com plástica, ginástica, musculação, consegue o que muitas vezes quer, que é um companheiro ou manter o marido. Não consegue. Aquela angústia, aquela depressão que está na base, impede que ela consiga.

ISTOÉ – A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que um quinto da população mundial tem depressão e que a cada ano surgem dois milhões de novos casos. Como o sr. vê esses números tendo em vista os dois distúrbios que podem ser causados pelos antidepressivos?

Rubens Hazov Coura – Esses dois efeitos têm de ser muito bem acompanhados. Mas eu pergunto: o paciente, seja ele quem for, tem de ser bem acompanhado ou não tem? Tem de haver um acompanhamento mais estreito. Tanto do psiquiatra quanto do psicanalista. Além disso, a pessoa não pode imaginar que só com um comprimido vai conseguir se livrar da depressão. Me parece ingênuo esperar isso. “Ah! a serotonina normalizou.” Ela é apenas um dos neurotransmissores (substâncias que fazem a comunicação entre os neurônios) envolvidos no processo da depressão. Não é tudo. Querer resolver o problema sem psicoterapia, sem uma orientação estreita, me parece difícil.

ISTOÉ – Como deve ser o acompanhamento do paciente?

Rubens Hazov Coura – Deve ser feito um acompanhamento rigoroso do paciente pelo mesmo psiquiatra que receitou o antidepressivo. A relação entre o médico e o paciente pode até alterar a dosagem do remédio. Se o paciente muda de médico rapidamente, ele costuma piorar e pode precisar até de uma dosagem maior.

ISTOÉ – O paciente deve escolher um psiquiatra por quem tenha empatia?

Rubens Hazov Coura – Sim. Deve optar por um e ficar com ele. Não telefonar para a secretária e pedir para ela deixar a receita na portaria. Esse médico que ele escolheu precisa vê-lo com frequência e conversar bastante. Saber o que está se passando. Fora isso, esse mesmo paciente deve fazer uma psicoterapia bem-feita com um outro psiquiatra ou um psicanalista.

ISTOÉ – O sr. acredita no tratamento da depressão sem antidepressivos?

Rubens Hazov Coura – Da depressão grave é difícil.

ISTOÉ – E para os outros tipos?

Rubens Hazov Coura – Aí pode ser. Depressões não muito severas se beneficiam da psicoterapia, sem medicamentos.

ISTOÉ – O sr. acha que os dois distúrbios que apontou podem ser evitados num paciente que conta com um acompanhamento adequado?

Rubens Hazov Coura – Acredito que, desde que o profissional saiba da existência desses dois efeitos, eles sejam contornáveis.

Visão pessoal…

Quase duas décadas depois do lançamento, em 1987, do Prozac, antidepressivo revolucionário para a época que virou febre nos anos 90, os pesquisadores da área estão agora interessados em investigar outra questão: as causas do bem-estar, da serenidade e, em última instância, da felicidade. E eles procuram respostas tanto em pacientes com depressão quanto em pessoas sem distúrbio psiquiátrico algum. Todos estamos expostos a adversidades, mas por que uns conseguem lidar tão bem com elas e outros sucumbem? Mês passado, o assunto foi debatido em um simpósio no Hospital das Clínicas em São Paulo, que reuniu pesquisadores de vários países. Quando chegarem a resultados mais conclusivos, isso pode significar tratamentos mais eficazes para deprimidos crônicos e também o conhecimento de novas fontes de bem-estar para todos. Os antidepressivos evoluíram muito, mas não se sabe ainda exatamente como funcionam. Quando o Prozac chegou havia os chamados tricíclicos e os inibidores da monoaminoxidase (IMAOs), que até eram eficazes, mas apresentavam efeitos colaterais severos, como diminuição de libido, ganho de peso, constipação intestinal e outros. Chamada “pílula da felicidade” na época de seu lançamento, o Prozac revolucionou ao agir pontualmente em um neurotransmissor cerebral, a serotonina, e ao reduzir esses incômodos. Depois dele, surgiram os antidepressivos atípicos, que atuam na serotonina e na noradrenalina ou em outros neurotransmissores envolvidos na sensação de bem-estar. Mas não é apenas a oferta dessas substâncias no cérebro que combate a depressão. Esta é a primeira alteração bioquímica provocada por um antidepressivo. Há outros efeitos que só surgem após duas semanas. O organismo precisa de um tempo para se adaptar. Nesse período, ocorre uma série de processos que não sabemos exatamente quais são. Só quando isso for totalmente desvendado é que se terá um remédio de fato eficaz e que funcione para todos os pacientes que possuem depressão bioquímica crônica-mesmo assim, existem alternativas sem remédios… Antidepressivo não é remédio para quem está triste. Em primeiro lugar, como o próprio nome diz, é um medicamento para quem tem depressão, doença que, segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS), atinge mais de 120 milhões de pessoas no mundo – a maioria mulheres, que são afetadas em uma proporção de três para cada homem. Os sintomas são apatia, alterações no apetite e no sono, sentimento de desvalia, falta de esperança e outros. Se aparecem isolados, não caracterizam a doença, mas, se surgem em conjunto e persistem, podem levar ao diagnóstico. Ainda que o antidepressivo fosse a “pílula da felicidade” liberada para todos, como demora duas semanas para agir, não adiantaria nada tomar um comprimido só naquele dia em que se está triste ou desanimado. O remédio não vai fazer a mágica de trazer alegria ou disposição imediata. Este é o efeito de substâncias euforizantes, como a cafeína ou drogas do tipo da cocaína, que causam dependência, ao contrário dos antidepressivos. Só o psiquiatra competente e atualizado deve receitar antidepressivo. O avanço que veio com a descoberta desse tipo de medicamento foi colocar a depressão e certos transtornos psiquiátricos no mesmo patamar de outras doenças controláveis, como diabetes e hipertensão. O lado bom é que quem tinha o problema pôde passar a se tratar adequadamente. Isso ajudou até a reduzir preconceitos. Havia, e ainda há um pouco hoje, uma cultura de que a pessoa deprimida é irresponsável e preguiçosa, quando esses são os sintomas da doença. O lado ruim é que muita gente saudável passou a tomar antidepressivo por conta própria, situação agravada com o surgimento de um “mercado negro” na internet, onde é possível comprar qualquer remédio sem receita. E há ainda quem tome com prescrição médica, mas de maneira inadequada. Em um ano, entre meados de 2003 e 2004, foram consumidos 400 milhões de comprimidos de antidepressivos no país. Boa parte foi receitada por médicos de outras especialidades, como clínicos gerais e ginecologistas, o que pode levar ao risco de superdosagem e à piora de outros quadros psiquiátricos não diagnosticados. Rir e fazer sexo estimulam a produção de serotonina e dão bem-estar, como fazem alguns antidepressivos. Para algumas pessoas, a sensação de bem-estar é algo mais difícil de conquistar e manter a sensação de bem-estar e felicidade exige persistência. Em outras palavras, depois de iniciado o tratamento, o paciente de depressão fica viciado. Ganho de peso é um dos motivos que mais provocam abandono do tratamento. De 70% a 80% dos remédios psiquiátricos engordam. Pior: via de regra, os efeitos colaterais de um antidepressivo diminuem com o tempo de uso, mas o ganho de peso costuma persistir e muitos pacientes desistem em favor da boa forma. Não só por isso, mas também por conta da grande preocupação com a obesidade, mal que atinge 11% dos brasileiros adultos, combater esse efeito é um dos maiores desafios no tratamento. Há outras fontes de felicidade além dos antidepressivos e elas são indicadas para todos. Se praticadas regularmente, algumas atividades,  estimulam a produção de serotonina, o mesmo neurotransmissor sobre o qual o Prozac e outros antidepressivos agem e que faz as pessoas se sentirem tranquilas, dispostas e felizes. Conforme avançarem as atuais pesquisas, será possível saber mais – e com mais certeza – sobre o que causa ou não bem-estar. Por enquanto, o que se tem são boas pistas aqui e ali. Um estudo da Universidade de Miami, por exemplo, levanta provas em favor da atividade física. Comparou-se a reação de pessoas que se exercitavam com regularidade com a de sedentários frente a uma situação tensa – como o momento em que recebiam a notícia de que eram HIV positivo. Os sedentários pararam imediatamente de multiplicar as células de defesa, ao passo que os que se mantinham ativos conseguiram manter o sistema imunológico protegido e ficaram menos amedrontados e desesperados com a situação… Voltaremos ao assunto em breve com um estudo sobre as “drogas da felicidade”… aguardem.

Inspiração…

Psicofarmacologia de Antidepressivos

A Era dos Antidepressivos – Associação Brasileira de Psiquiatria

Psicofármacos nos Transtornos Mentais – UFRGS

Antidepressivos no Tratamento de Depressão na Doença de Parkinson

Antidepressivos – ICB – UFRJ

Depressão: Um Olhar Farmacêutico para o “Mal do Século”

Síndrome de Descontinuação dos Antidepressivos

Recomendo…

Fonte – Monicavox

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s