Desafios, o caminho para a transformação – 25.04.2017

Desafios, o caminho para a transformação – 25.04.2017

Nunca existiu um ser humano sobre a Terra que não tenha vivido, ainda que por curto tempo ou em grau leve, um desafio. Sabemos que desafio é tudo aquilo que nos leva a questionar seus efeitos e a maneira como resolvê-los. É um convite da vida para que possamos mostrar as nossas habilidades de buscar conhecer o que está acima das visíveis capacidades que já demonstramos, nos permitindo enfrentar o desconhecido e adquirindo, assim, uma expansão nas nossas capacidades, conhecimentos e resiliência.

Também pode ser visto como competição sobre um rival, por assim dizer, onde queremos provar que somos mais capazes diante do que nos propuseram. Comportamento esse comum em jogos, por exemplo. Quaisquer que sejam os desafios, sabemos muito bem que não é fácil para ninguém aceitar e superar, vistos sermos seres falíveis e limitantes na compreensão sobre o propósito da vida no nosso caminhar. Estamos sempre a questionar considerando, em alguns casos, que não merecemos tal desafio, que a vida não é justa, etc.

Encontraremos na vida aspectos que precisaremos superar para crescer em várias escalas. A nossa vida é formada por vários ciclos, nos quais diferentes tipos de desafios vão se apresentando para que possamos, através deles, nos tornarmos verdadeiramente sábios. Quantas vezes já enfrentamos desafios que até conseguimos resolver com rapidez e clareza, mas outros se arrastaram por longos períodos e até se repetiram, nos levando a descrer da nossa própria capacidade, ou até mesmo a não entender o porquê de estarem em nosso caminho.

Diante de situações assim, muitas vezes nos fechamos sufocados por não encontrarmos as soluções desejadas, nos considerando incapazes, frágeis, derrotados, e fugimos de todos e de nós mesmos permitindo que a tristeza nos convença de que não temos sorte na vida, pois tudo parece nos convencer de que estamos destinados a fracassar. Ficamos ainda pior se alguém nos critica e aponta outros como exemplo de superação, com a intenção de deixar claro que não somos capazes.

Se considerarmos que aprendemos através das lições, veremos nos desafios essa oportunidade, buscando entender o que eles querem nos ensinar para nos tornarmos melhores em qualquer que seja a área em que se apresentem. É certo que todos que souberam aceitá-los e superá-los tornaram-se melhores do que antes. Sabemos que alguns deles foram fruto de escolhas que fizemos de uma maneira consciente, mas há sem dúvida os que já trazemos em nosso histórico, que mesmo não entendendo a princípio as suas causas, querem nos ensinar a crescer em todos os sentidos da vida.

Precisamos olhar os desafios como uma dádiva, pairando sobre eles um olhar mais demorado sem julgar se somos melhores ou piores que os outros, se são justos ou não, e sim únicos no nosso tempo e entendimento, buscando com atenção entender o que querem nos dizer para atingirmos os nossos objetivos, ou nos elevarmos em consciência. Portanto, devemos considerá-los como a verdadeira oportunidade para atingirmos a transformação, que nunca será só externa, mas essencialmente interna, que nos permite as verdadeiras mudanças quando os absorvemos com entendimento. Podemos enfrentar um grande vendaval dentro e fora de nós diante dos desafios na vida, mas só através deles crescemos e nos transformamos.

“É preciso ter um caos dentro de si para dar à luz uma estrela cintilante”. – Friedrich Nietzsche

— Como crescer

Um rei foi até seu jardim e descobriu que suas árvores, arbustos e flores estavam morrendo.

O Carvalho disse a ele que estava morrendo porque não podia ser tão alto quanto o Pinheiro. Virando-se para o Pinheiro, o encontrou caído porque não podia dar uvas como a Videira. E a Videira, por sua vez, estava morrendo porque não podia florescer como a Roseira. A Roseira chorava porque não podia ser tão alta e forte como o Carvalho. Então encontrou uma planta, uma Frésia, florescendo e mais fresca do que nunca.

O rei, então, perguntou: Como você consegue crescer saudável em meio a esse jardim murcho e sombrio?

Não sei dizer… Talvez seja porque sempre supus que, quando me plantou, queria frésias. Se quisesse um Carvalho ou uma Rosa, os teria plantado… Naquele momento disse a mim mesma: “Tentarei ser uma Frésia da melhor maneira que eu puder!”

Agora é sua vez. Você está aqui para contribuir com sua fragrância. Simplesmente olhe para si mesmo.

Não existe a possibilidade de que você seja outra pessoa.

Você pode aproveitar e florescer regado com o amor que você tem por si mesmo, ou pode cair em sua própria desaprovação…

Visão pessoal…

Como dizia Albert Einstein, “Todas as pessoas são gênios”. No entanto, se você julga um peixe pela sua habilidade de escalar uma árvore, ele passará toda a sua vida acreditando ser um idiota. Quem é você na realidade? Desde muito pequenos somos ensinados a julgar a nós mesmos, levando em conta as qualidades e opiniões das pessoas que estão ao nosso redor. Mas se nos compararmos continuamente com as pessoas, dificilmente chegaremos a nos conhecer profundamente. Para isso, precisamos observar diante do espelho cuidadosamente e procurar todas essas potencialidades que, muitas vezes, deixamos escondidas por trás dos nossos medos e hábitos. Comparar continuamente a si mesmo não costuma ser uma boa fórmula para manter uma boa autoestima, pode inclusive nos levar a ter uma percepção deformada de nós mesmos. Ao mesmo tempo em que as comparações têm um aspecto negativo, também têm outro aspecto positivo, e é justamente a capacidade de percebermos que existe uma grande variedade de formas de pensar, atuar e sentir. Não se trata de ser parecido com alguém, nem de ter sucesso, ser competente ou divertido como os outros são, senão de aproveitar nossas qualidades, as melhores que tivermos e uni-las ao nosso talento e originalidade. Ninguém é exatamente igual a nós mesmos. Todos somos diferentes. Ninguém viveu todas as experiências que cada um de nós viveu, nem mesmo de maneira parecida. Cada pessoa tem sua história. Portanto, ao fazer comparações, nos comparamos com coisas diferentes, levando em conta apenas algumas características ou traços pessoais. Por isso, a oportunidade de ser você mesmo acaba sendo tão valiosa. Cada um de nós tem várias características, algumas tornam a vida mais fácil, enquanto outras podem dificultar em certas ocasiões, mas juntas elas fazem com que nós sejamos únicos. Isso não significa que não podemos tentar mudar aspectos de nós mesmos se quisermos, já que isso não é uma coisa ruim de se fazer; somente é preciso levar em conta que as verdadeiras mudanças nascem da auto aceitação, e não da rejeição. Aprender a nos valorizar, nos querer bem e nos aceitar é uma mudança trabalhosa que se estende por toda a vida, e muitas vezes, esse caminho requer doses de motivação e persistência. Chegar ao conhecimento pleno de nós mesmos fará com que nos sintamos mais confortáveis em nossa própria pele, além de ser uma das viagens mais emocionantes na qual podemos embarcar. Vamos ser a melhor versão de nós mesmos a cada dia…

Inspiração…

Encarando os desafios da vida: uma conversa com … – Soperj

Trauma e superação – Savoia – Psicologia USP – Revistas USP

A experiência da superação em Assim Falou Zaratustra

Recomendo…

Fonte – Monicavox

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s