A Terra e a Cúpula de Cristal – 06.04.2017

A Terra e a Cúpula de Cristal – 06.04.2017

Na marca dos últimos 3,2 milhões de anos, o planeta Terra recebeu a instituição de um grupo de controle e pesquisa existencial dos projetos genéticos e raciais que estavam sendo inseridos no planeta pelos diversos grupos coloniais e pelos Filhos Paradisíacos que tinham se disposto a desdobrar fractais de alma para encarnar na Terra pela primeira vez no âmbito de 3D e 4D. Esta Cúpula tem por objetivo o controle de todos os projetos que estão cadastrados no projeto Terra-Cristo, realizando uma correlação com seus cocriadores e os desdobramentos espirituais de cada alma e fractal de alma inseridos no planeta. O problema aqui é que muitos projetos inseridos clandestinamente através do Umbral não estavam cadastrados pela Cúpula de Cristal.

Esta instituição é uma base interdimensional no astral de 5D da Terra, ligada a diversas cidades intraterrenas e intraoceânicas além das colônias etéricas dos desencarnados humanos ao longo do processo existencial instaurado na Terra. Em paralelo, muitos dos aspectos narrados até o momento e outros ainda ocultos no contexto da política de cada Federação e grupo estelar, foram gradualmente transferidos para o projeto Terra em diferentes linhas de tempo e dimensão na cronologia cocriacional da Terra sem o conhecimento e, muito menos, sem o consentimento dos Mestres da Cúpula de Cristal. Temos também outros aspectos externos que envolvem todo o Sistema Solar no âmbito de 3D até 9D que foi a destruição dos planetas Maldek, Vênus e Marte no decorrer dos últimos 252 milhões de anos, gerando outros encargos complexos no fluxo do tempo da Terra entre suas realidades de 3D até 7D, que têm profunda interferência no atual processo evolutivo da humanidade e questões encarnacionais. A direção ou administração do grupo inicial que gerou e instalou a Cúpula de Cristal no plano etérico da Terra não possuía todas as variáveis externas do contexto político dos grupos além do centro mais próximo entre Órion, Plêiades, Sirius, Arcturos, Aldebarã e Toliman. Dessa forma, as ações e projetos se baseavam na sustentabilidade da estrutura da Terra e dos grupos aqui inseridos além dos projetos dos Filhos Paradisíacos que estavam sendo inseridos pela primeira vez dentro de corpos biológicos com DNA alterado entre 3D e 4D. Este projeto exigiu o acompanhamento de muitas hierarquias do plano Morontial além da fisicalidade, para que fosse possível gerar o movimento de energia entre as diferentes frequências da luz.

Para que possam entender um pouco, o plano físico onde a humanidade vive e acredita ser 3D, representa na verdade o que os seus cientistas denominam de “luz sólida”, ou seja, é a frequência da luz solidificada dentro de um determinado espectro de radiação. Existem outros espectros que estão além dessa frequência, e, portanto, são invisíveis e intangíveis para a humanidade e ciência básica.

Os cientistas classificam o universo da seguinte maneira:

ENERGIA ESCURA – 72% do universo hipotético, carga gravitacional.
MATÉRIA ESCURA – 22% do universo calculado Raio X, Ultravioleta, Gama.
MATÉRIA BARIÔNICA – 4% do universo conhecido e fotografado.

A ciência humana descobriu isso nos novos conceitos de pesquisa dentro da teoria quântica e nas descobertas que respaldam esse conceito que foi instaurado por volta dos anos 90 até 2.000. Posteriormente, com os equipamentos de pesquisa na faixa da radiação gravitacional, descobriu-se que existem superaglomerados de energia e matéria em outras realidades que são definidas como dimensões do outro espectro da luz. Dentro da nossa apresentação podemos simplificar da seguinte maneira:

ENERGIA ESCURA = ENERGIA MORONTIAL
MATÉRIA ESCURA = MATÉRIA MORONTIAL
MATÉRIA BARIÔNICA = MATÉRIA VISÍVEL FÍSICA MULTIDIMENSIONAL.

Dessa forma, para estabelecer um propósito divino proveniente das esferas da Luz consideradas como Energia ou Matéria escura, exige-se que seres desta magnitude estabeleçam parâmetros e condições para que seus projetos sejam sustentados de forma operacional e funcional. Assim, as equipes das diferentes castas ou equipes tiveram que realizar seus desdobramentos nos planetas e nos quadrantes onde esse projeto estava sendo constituído. A Terra foi preparada para esse propósito, o que acabaria sustentando um desdobramento nunca antes visto dentro da Via Láctea, mesmo ela contendo algo em torno de 300 planetas Morontiais com essa nova configuração. Se avaliarem que a galáxia possui algo próximo a 200 bilhões de estrelas e a maior parte possui planetas em sua órbita, significa um valor extremamente elevado de possibilidades de vida nas mais diferentes frequências da luz. Portanto, cerca de 300 planetas é um valor mínimo e ao mesmo tempo exigiu preparativos e configurações únicas para esses 300 mundos com a codificação Crística associada a cada um dos Filhos Paradisíacos que estavam se desdobrando para a sua galáxia.

As ordens cósmicas tiveram que realizar o desdobramento em etapas antes da chegada dos Filhos Paradisíacos, gerando o escalonamento e o fracionamento da estrutura da Supra Confederação no universo ao redor de Havona. Inicialmente o universo ao redor de Havona e de seu portal Shantar, sustentava apenas 7 Superuniversos dentro do que a humanidade atualmente considera fisicalidade 3D, ou simplesmente de matéria Bariônica. Além dessa estrutura física e visível no plano material correspondente à humanidade e sua atual tecnologia linear, existem muitos outros desdobramentos da Matéria e Energia escura, ou Morontial como nós a denominamos. Esses outros planos estabelecem a geometria sagrada do universo e dos universos dentro dos universos, criando uma malha de energia e de matéria muito além do que pode ser concebido pela consciência humana e suas escrituras canalizadas ou mesmo das transcrições realizadas com seres do plano espiritual ou extraterrestre ao longo de sua história, pois a consciência linear e cartesiana baseada somente em 3D não pode aceitar os desdobramentos existentes muito além dos seus Deuses e míticos coordenadores da espiritualidade moderna.

As seguintes ordens cósmicas tiveram que se desdobrar dos planos da Luz não material para poder criar as condições necessárias para que esses Filhos Paradisíacos pudessem ter os seus experimentos dentro do Universo Local de Nebadon e de muitos outros no contexto dos 7 Superuniversos, como já foi descrito em outras literaturas de forma superficial. São esses grupos da Supra Confederação:

ORDEM VORONANDECK
ORDEM GORONANDECK
ORDEM LANONADECK
ORDEM MELCHIZEDECK
ORDEM ARYELIS
ORDEM KUMARA
ORDEM MICAHÉLICA
ORDEM AMARYLIS – MÃE CÓSMICA.

Estas oito organizações acabaram gerando os respectivos desdobramentos de seus grupos de entidades e mensageiros para criar o salto quântico cósmico entre os planos da não matéria para a matéria e gerar o fluxo de energia para que o “Espírito-Alma” desses Filhos Paradisíacos pudesse entrar na energia ou matéria Bariônica.

Os seres que compunham as diferentes Cúpulas de Cristal de cada um dos 300 planetas da Via Láctea e dos outros setores do Universo estavam familiarizados com as especificações técnicas e espirituais necessárias para gerar a nova fase experimental de vida em cada respectivo planeta. De acordo com a condição que cada um apresentava entre 3D e 4D, os espectros de “Luz Solidificada” eram mais densos, como seus cientistas estabeleceram nos últimos 10 anos de pesquisa e conclusões empíricas da física moderna.

Cada um desses oito grupos gerou seus respectivos desdobramentos e corpos estáveis para poder interagir com os respectivos planos dentro das diferentes frequências da luz. Estas diferentes frequências da luz são o que na ficção científica os humanos denominam de “dimensões”. Cada plano foi dividido em diferentes frequências, portanto, podem ser divididas em escalas de 7, 8, 12 ou mais magnitudes, conforme o parâmetro estabelecido pelo pesquisador e observador das diferentes frequências do universo que a luz emite no tempo-espaço. No contexto cósmico, a energia e a matéria são na verdade compostos de Tempo e Espaço, e ambos são curvos, realizando uma enorme parábola pelo universo multidimensional, que tem como base a gravidade gerada pelos inúmeros Portais Cósmicos, que vocês na atualidade denominam de “Buracos Negros”. Estes enormes Portais utilizam a força natural da gravidade para converter Energia e Matéria Escura em Matéria Bariônica e depois esta é reconvertida em Matéria e Energia Escura. Este é o processo da vida além da materialidade terrestre. As oito ordens empregaram este movimento pendular do universo para criar as condições de Cocriação e estabelecer os mecanismos do universo para que os Filhos Paradisíacos que não dispunham dessa tecnologia e nem do conhecimento, pudessem descer no processo da vida e da aprendizagem Coexistencial às esferas mais densas da “Luz da Fonte que Tudo É”.

Portanto, a Terra teve que ser ajustada em muitos aspectos, não apenas o climático ou geológico, mas dimensionalmente, para poder nestes últimos 3,2 milhões de anos sustentar esse projeto. Mesmo antes, a Terra já tinha sido aperfeiçoada e capacitada a sustentar inúmeros projetos de vida que incluíam diferentes matrizes cósmicas de alma e matéria.

A Cúpula de Cristal recebeu a informação e identificação de todos os Filhos Paradisíacos que estavam contabilizados nos diferentes grupos, para realizar o procedimento de densificação e acoplamento nas matrizes genéticas das 7 castas originais que seriam inseridas em diferentes partes da Terra. Membros das Oito Ordens também enviaram seus representantes para dar cobertura e assistência à Cúpula de Cristal e suas equipes, gerando assim os protocolos para que a vida fosse observada e o experimento acompanhado pelos respectivos Mestres e emissários de cada uma das Ordens envolvidas.

Cada Filho Paradisíaco passou pelo desdobramento entre o plano da Energia Escura para a Matéria Escura através do desdobramento do que chamamos de Supra Mônada para Mônada, depois entrou na estrutura da Matéria Bariônica através do que a humanidade aprendeu a definir por Eu Sou. Desse ponto houve uma outra divisão que acabaria por gerar a “Alma” que possui a capacidade de ocupar corpos biologicamente adaptados para que a “Alma” gere a consciência e a vida como a humanidade a entende.

Resumindo temos:

ENERGIA MORONTIAL – SUPRA MÔNADA (12 ATÉ 144 FRACTAIS)
MATÉRIA MORONTIAL – MÔNADA (12 ATÉ 144 FRACTAIS)
INTERFACE / MATÉRIA BARIÔNICA – EU SOU (12 ATÉ 144 FRACTAIS).
MATÉRIA BARIÔNICA – ALMA E CORPO BIOLÓGICO 1D ATÉ 8D.

A energia de ligação ocorre pelo fluxo daquilo que a ciência denomina de Neutrinos, que são os desdobramentos de energia entre o “Espírito–Alma” que vai acoplar na realidade 3D e 4D da “luz” densificada. Os Neutrinos foram descobertos por volta dos anos 1990/2000 pela comunidade científica terrestre. Antes disso eram subpartículas de antimatéria teóricas. Eles não interferem e nem interagem com a matéria sólida como outras partículas, motivo pelo qual a sua descoberta é recente no meio científico terrestre. Essa energia está diretamente relacionada com os fluxos de energia das emanações da Energia e Matéria Escura ou Morontial.

Esta é uma classificação simplificada para entenderem como ocorreu o desdobramento desses Filhos Paradisíacos no Universo e como eles tiveram que se ajustar para poderem chegar na Terra.

Agora percebam como o planeta Terra teve que ser ajustado e capacitado para sustentar um gradiente multidimensional de realidades paralelas, para poder absorver esse contingente de energia e de consciências. A própria essência divina do planeta Terra é um ser multidimensional que antes de acoplar no coração da Terra na sua formação dentro da Estrela de Sirius Alpha, passou por esses processos internos de ajuste e densificação. No entanto, essa consciência escolheu acolher o corpo de um planeta ao invés de uma estrutura biológica como a raça humana representa. Da mesma forma milhões de outros seres provenientes da Energia Escura acabaram entrando no ciclo existencial dos planetas, Estrelas, Quasares, Pulsares e outras estruturas ainda desconhecidas da ciência moderna no campo da astrofísica. É importante salientar que a consciência de um ser multidimensional não reside apenas na estrutura biológica de um ser como o humano. Tudo no universo é vida e possui sua respectiva consciência, por isso que na espiritualidade desenvolvida na Terra, se ensina que os cristais, matas, árvores, animais, tudo possui vida de elementais e seres divinos associados, pois na verdade essa consciência é um desdobramento das esferas superiores da Matéria e Energia Escura ou Morontial do universo.

A Terra, portanto, é um ser cósmico das esferas do além matéria, que escolheu ajudar e participar do projeto da vida, estando diretamente interligado aos planos da Supra Confederação e do Conselho de Shantar e de Unversa. A identidade da Terra no palco político dos Cocriadores é basicamente o Cristo Cósmico, que está sustentando o plano da vida e que tem sido negligenciado nos últimos 12.000 anos da história da humanidade, através de suas atitudes destrutivas que mantêm até o momento. Essa marca de 12.000 anos está relacionada com as principais civilizações criadas depois da destruição das ilhas supostamente chamadas de Atlântida ou Poseidon ao longo desses últimos 12.000 anos, gerando as civilizações atuais que se encontram nas antigas escrituras dos Sumerianos e dos Vedas. Desse ponto em diante, a conexão com o divino e com os outros planos existenciais da vida e da “luz” se perderam e a humanidade entrou num processo decadente, perdendo o respeito por si e pelo seu entorno, ignorando a existência de uma consciência terrestre.

A humanidade passou por diferentes processos entre as distintas realidades paralelas, criando um efeito de contaminação e inter-relacionamento, o que gerou uma grande confusão na percepção linear da consciência humana, principalmente no campo dos místicos e espiritualistas. Mesmo antes desta marca geológica importante e existencial das diferentes civilizações, as realidades paralelas da Terra se comunicavam e trocavam experimentos, sendo em parte observados e controlados pelos Mestres da Cúpula de Cristal. Esta Cúpula é uma instância superior à grande Fraternidade Branca, tendo nesta última uma de suas escolas internas para preparar o retorno de cada “alma” para as esferas anteriores ao processo carnal, estando a Fraternidade Branca em contato direto com a humanidade através do processo mediúnico, o que não ocorre com a Cúpula de Cristal que orbita um patamar onde o ser humano ainda desconhece e não possui capacidade de desdobramento astral superior para adentrar em sua estrutura, o que na verdade está restrito a uma minoria de Mestres do plano físico e enviados especiais. Mas, já no caso da Fraternidade Branca e outras frequências, estão diretamente acompanhando o desenvolvimento da consciência das diferentes etapas da humanidade e dos outros reinos além desses que existem na Terra desde o início de sua formatação.

A função da Cúpula de Cristal é atuar diretamente no desdobramento do Eu Sou e de seus respectivos fractais, que pela nomenclatura e entendimento da humanidade correspondem à “Alma” e ao “Espírito”, principalmente dos desdobramentos originais dos Filhos Paradisíacos e posteriormente dos outros grupos que acabaram chegando à Terra. Sim, muitos outros acabaram sendo atraídos pela proposta dos planetas Morontiais da Via Láctea e das outras galáxias de Teta e dos outros aglomerados do universo. A diferença foi o gradiente de dualidade ou polaridade que foi bem mais intenso no setor onde nossa galáxia se encontra. Muitos outros Filhos Paradisíacos e seus desdobramentos nas diferentes esferas da existência, acabaram tendo a sua atenção despertada para esta nova oportunidade existencial e cocriacional que estava sendo realizada. No entanto, esses seres que nunca tinham tido a experiência da dualidade na frequência da luz de 3D, acabaram ficando presos por muito mais tempo do que previsto por determinação deles mesmos, pelas equipes da Cúpula de Cristal e pelo Conselho Shamuna, que representa o centro gerenciador de uma galáxia.

A Terra apresentava uma condição climática e geológica totalmente modificada para apresentar características equivalentes a dezenas de outros mundos, tudo inserido em um mesmo sistema e com seus respectivos aspectos em realidades paralelas, permitindo que diferentes Filhos Paradisíacos e seres provenientes de outras moradas pudessem ter a sua experiência na fisicalidade de 3D e 4D. As condições existentes na Terra eram semelhantes aos mundos vizinhos como Maldek, Marte, Vênus, e aos mundos dos sistemas solares próximos, além da estrutura original de Vega/Lira. Do projeto original cerca de 1.500.000 Filhos Paradisíacos e mais 2.000.000 de consciências de outras moradas estavam interessados no desdobramento dentro da nova proposta que a Terra iria sustentar, criando para os Mestres da Cúpula de Cristal ampla rede de tarefas e preparativos para ajustar a Terra antes do prazo de 3,2 milhões de anos. Os ajustes que a Terra recebeu duraram cerca de 300.000 mil anos da contagem humana, para estabilizar as novas condições do clima, temperatura, gases da atmosfera e alguns satélites orbitais para ajuste do campo emocional e psíquico de algumas novas formas de vida que teriam os seus corpos criogênicos estabelecidos nesses pontos.

Já as consciências provenientes dos Filhos Paradisíacos acabavam sendo transferidas pelas outras esferas da Confederação Intergaláctica desde a energia do Eu Sou e eram fragmentadas na energia menor da Alma, que deveria ser inserida na estrutura biológica dos futuros corpos. Isto exigiu o desenvolvimento de uma outra tecnologia de decantação e fracionamento da “luz”, para poder permitir que a estrutura biológica tenha um DNA capaz de absorver a “luz” da alma e, dessa forma, gerar a vida acoplada a toda a ramificação eletroquímica e biológica da vida, como entende a humanidade. Este processo de fragmentação da energia da luz, tem a participação dos Mestres da Cúpula de Cristal que gerenciavam os ajustes do material genético em parceria com as equipes da Ordem Lanonadeck, que são os geneticistas encarregados de estabelecer os parâmetros entre as diferentes dobras de vibração da “luz da alma” e do código genético do Eu Sou e de seus desdobramentos além dele.

Para muitos dos nossos leitores, a revelação da existência desta estrutura que ligada às esferas mais altas da Fraternidade Branca, vai ajudar na conexão de novos paradigmas e na libertação de hologramas relativos ao passado por parte dos grupos de rebeldes que realizaram muitas manipulações no decorrer dos ciclos encarnacionais de muitas almas. No entanto, os Mestres da Cúpula de Cristal não tinham acesso aos registros e muito menos ao contingente de almas negativadas que seriam inseridas na Terra no decorrer desse tempo, por parte dos visitantes estelares e de seus problemas políticos em suas sociedades, acabando por interferir de forma dramática no desenvolvimento dos acontecimentos dentro da Terra e vários de seus desdobramentos dimensionais.

Do ponto de vista tecnológico, a Cúpula de Cristal estabelece as matrizes genéticas entre o fluxo de energia do conjunto “Espírito-Alma-DNA” e o conjunto genético a ser estabelecido no plano material para que possa ocorrer o processo encarnacional e a vida como a humanidade a entende. O Corpo Astral como é denominado no conceito espírita do Brasil e de outros países, é na verdade, um clone geneticamente adaptado para viabilizar a compatibilidade do DNA entre o fluxo de energia de “luz” condensado, estabelecendo novos parâmetros do que será biologicamente compatível com a luz sólida. A radiação de fundo para estabilizar as frequências entre as diferentes dimensões ou frequências de luz são os Neutrinos e as outras subpartículas do átomo, que realizam os acoplamentos frequenciais entre as diferentes matrizes e velocidades de desdobramento da consciência e da energia escura. Assim, as funções desenvolvidas pela tecnologia e responsabilidades da Cúpula de Cristal da Terra, estavam e ainda estão além da compreensão da humanidade, que possui um conceito muito religioso e cartesiano do que é a vida e a forma como foi criada, baseada em conceitos básicos de um “Deus” único que desenvolveu tudo a partir de sua vontade entre todas as diferentes realidades ou frequência da luz. Como já foi dito por um filósofo terrestre, existe muito mais entre o céu e a terra do que se imagina, portanto estamos revelando parte do processo, para que saibam como é preparado o processo biológico de um ser que vai ser adaptado à frequência de cada planeta. Aqui tratamos apenas da Terra, mas nos outros mundos existe a equivalência.

Estes seres da Cúpula de Cristal são membros das diferentes ordens e também da Confederação Intergaláctica, que ajudou a criar a vida no universo material. Normalmente a humanidade confunde as questões políticas das distintas Federações ou estruturas políticas dos comandos estelares com a presença espiritual e com a consciência dos seres imateriais da Confederação.

Com estas revelações que o autor recebeu autorização para passar a vocês, após esta leitura alguns vão poder ter acesso às instalações etéricas e multidimensionais desta instituição e com isso acessar o seu desdobramento além dos Templos e estruturas atribuídos aos Mestres da Fraternidade Branca, passando gradualmente a realizar a conexão com o seu corpo criogênico e com o plano do corpo Astral Superior. Esse corpo possui o DNA da última morada estabelecida pelo conjunto energético da “alma” e, portanto, o código genético empregado nesse processo, que vocês da Terra denominam de ciclo encarnacional. Dessa forma, esse material genético que é na verdade uma informação, estabelece os parâmetros de ajuste para criar a compatibilidade entre o material genético a ser empregado na Terra pelo genoma humano terrestre ou em outra forma de vida onde for empregado.

Um código genético possui informação que também é energia. Dessa forma, o condicionamento transferido dessa informação, é gradualmente absorvido pelo material genético do corpo físico e de seus campos energéticos ou eletromagnético, criando o que na atualidade se denomina de “memória celular” ou “memória quântica”, que no passado foi estabelecida como memória de ancestralidade, ou material genético de ancestralidade. Porém, não apenas a ancestralidade terrestre de gerações encarnacionais na Terra, mas também através do fluxo de energia entre o corpo Astral Superior e o Astral Inferior que está acoplado ao corpo biológico físico 3D.

Os Filhos Paradisíacos provenientes de uma esfera de energia escura não tinham registros compatíveis com a Terra e muito menos com a realidade dimensional que seria empregada. Dessa forma, foi necessário utilizar corpos com material genético e informações que permitissem esse acoplamento. Isso gerou um efeito delicado para muitos, pois essas informações vinham de experimentos em outros setores do universo. Alguns com maior ou menor gradiente de polaridade, gerando na consciência desses Filhos Paradisíacos um efeito inebriante como o alcoolismo. Estavam vivendo experiências inéditas que nunca tinham tido, através das informações contidas nas frequências mais densas abaixo do que a humanidade ilusoriamente chama de 8D. Esse plano de 8D até as frequências mais baixas como a 3D, representam diferentes frequências do plano físico no qual vocês vivem, porém em oitavas de vibração distintas, onde bilhões de experimentos da vida existem ao longo de cada quadrante galáctico. Essa informação conforme o ângulo que for avaliada, representa para os humanos o conceitual e equivocado Carma ou Darma. A informação existente gera um padrão energético que vai ser vivenciado e expressado nas diferentes realidades da “Luz” ou do universo e suas distintas frequências de luz, criando assim o movimento da vida e das polaridades.

A polaridade é na verdade a expressão manifestada dessas informações, que gera o movimento de acordo com a necessidade de cada plano existencial, onde a “Alma” se manifesta no experimento da vida. Os Mestres da Cúpula de Cristal e das outras estruturas como Ordem Santa Esmeralda, não têm a função de julgar ou delimitar esses experimentos com base na informação, mas sim observar e realizar experimentos, garantindo que a vida seja respeitada e que o processo da “Alma” se concretize dentro dos parâmetros que foram pré-estabelecidos antes do ciclo encarnacional. No entanto, no caso da Terra e de muitos outros mundos, houveram muitos problemas pela presença de forças externas ao plano com alto índice de negatividade ou polaridade nociva.

Retomando o conceito anterior, informamos que o corpo astral é, na verdade, um clone geneticamente adaptado para absorver ou receber a energia da “Alma”, gerando os desdobramentos bioquímicos da vida biológica através dos mecanismos quânticos das subpartículas atômicas inseridas entre os diferentes patamares de energia entre a realidade física 3D e os outros planos superiores ou de vibração mais rápida. No atual estágio da evolução da espécie humana da Terra, ocorre um grande diferencial, pois o material genético biológico e suas informações são provenientes de diversas origens com históricos complexos, gerando uma ampla variedade de informações e de polaridade a serem vivenciadas através de atitudes e emoções. Quando os primeiros seres humanoides foram gerados e inseridos nas sete castas originais e primordiais há cerca de 3,2 milhões de anos da contagem terrestre, as informações existentes eram mais puras e originárias de raças pré-selecionadas com qualidade para sustentar os projetos estabelecidos.

Cada raça estava inserida dentro do propósito dos Mestres e geneticistas da Ordem Lanonadeck para estabelecer novos parâmetros em milhares de outros planetas, partindo dos registros absorvidos na Terra durante os respectivos ciclos encarnacionais e aspectos reencarnacionais que estavam sendo estabelecidos. Dessa forma, uma grande parte dos Mestres Lanonadeck se tornaram os fundadores da Cúpula de Cristal e até o momento estabelecem suas funções junto do plano existencial da Terra. Os geneticistas Lanonadeck e os membros da Ordem Santa Esmeralda selecionaram material energético especifico de outros mundos de ordem superior e os adequaram ao projeto Terra, para que antes da chegada das “almas” desses Filhos Paradisíacos e dos outros grupos, outras almas descritas como de animais mais primitivos tivessem gerado o processo evolutivo desses genomas em sistemas solares de diferentes setores da Via Láctea e das outras galáxias do conjunto Teta. Assim, a preparação genética foi realizada em diferentes etapas pela escala evolutiva e aperfeiçoamento genético, antes de ser inserida na Terra com todos os ajustes e alinhamento informacional genético para que surgisse uma raça Humana e Humanoide nessas sete Castas.

A Ordem Santa Esmeralda está diretamente inserida em todas as fases da preparação dos modelos e informações genéticas entre as diferentes escalas da Energia Escura, Matéria Escura, Matéria Bariônica e seus fractais dimensionais, desenvolvendo o padrão de informação correlata para o padrão vibracional entre “Alma” e corpo material, portanto existem diversos Mestres da Ordem Santa Esmeralda dentro da estrutura administrativa da Cúpula de Cristal e dentro do Ancoramento da Cura Quântica Estelar. Ao entenderem esta informação, podem começar a perceber o desdobramento Apométrico que esse Ancoramento oferece a seus discípulos na medida que vão evoluindo e aprendendo a utilizar os mecanismos do ancoramento nos trabalhos de terapias e de Apometria.

Este texto é parte do livro A EXPERIÊNCIA MORONTIAL de Rodrigo Romo, disponível para venda na LOJA VIRTUAL (clique)

Este texto pode ser compartilhado desde que não seja alterado e cite a fonte e o autor.

Fonte – http://www.rodrigoromo.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s