Yantra – 28.03.2017

Yantra – 28.03.2017

YANTRA literalmente significa “apoio” e “instrumento”.

Um Yantra é um desenho geométrico atuando como uma ferramenta altamente eficiente para a concentração, contemplação e meditação. Yantras carregam um significado espiritual: há um significado específico que pertence a níveis superiores de consciência. Fornece um ponto focal, é uma janela para que o Absoluto. Quando a mente está concentrada em um único objeto simples (neste caso, um Yantra), a vibração da mente cessa. Eventualmente, o objeto é descartado quando a mente é esvaziada, e podemos permanecer em silêncio e sem ajuda. Nas fases mais avançadas, é possível alcançar a união com Deus/Fonte através da visualização geométrica de um Yantra.

O Yantra é como uma imagem microcósmica do macrocosmo. É um ponto de foco e uma porta exterior e interior. Os Yantras frequentemente estão focados em uma divindade (entenda-se que aqui cada divindade possui sua própria simbologia e significados e atributos e qualidades) específica, de modo que, sintonizando em Yantras diferentes pode-se tocar em divindades ou centros de força criativa do universo.

Normalmente Yantras são projetados para que o olhar se fixe no centro, e são muito simétricos, podendo ser desenhados em papel, madeira, metal, ou terra, ou eles podem ser tridimensionais.

O Yantra mais célebre na Índia é o Sri Yantra de Tripura Sundari . É um símbolo de todo o cosmos que serve para lembrar o praticante que entre o sujeito e objeto, não há diferença

— Como trabalhar com Yantras

A base de operação do Yantra é uma coisa chamada “forma de energia” ou “energia forma”. A ideia é que cada forma emite uma frequência muito específica e padrão de energia. Exemplos de antigas ideias de que Yantras e mandalas são formas de energia são: a estrela de Davi, a estrela de cinco pontas (Pentágono), a cruz cristã, as pirâmides, o cubo de Metatron e assim por diante.

Alguns dos poderes são atribuídos às várias formas. Alguns têm as energias “más” ou negativas e algumas energias “boas” ou positivas, mas na Yoga Yantra, apenas as energias benéficas e harmoniosas são usadas. Quando alguém se concentra em um Yantra, a mente automaticamente fica sintonizada por ressonância na forma específica de energia do Yantra.

O processo de ressonância é amplificado e depois mantida. O Yantra atua apenas como “sintonizar” um mecanismo ou uma porta. A Energia Sutil não vem (ou está) no Yantra em si, mas no macrocosmo. Basicamente, Yantras são as chaves secretas para estabelecer ressonância com as energias benéficas do macrocosmo. Muitas vezes, os Yantras podem nos colocar em contato com energias extremamente elevadas, sendo de inestimável ajuda no caminho espiritual.

Em primeiro lugar, Yantras não podem simplesmente ser inventados de imaginação. Cada modo específico e emoção tem uma forma específica de energia associada a uma forma (desenho). Esta forma inequívoca determina a forma do Yantra associado a esse estado de espírito. Os Yantras tradicionais foram descobertos, por meio da revelação, pela clarividência, não foram inventados simplesmente. É preciso ser um verdadeiro mestre espiritual, um guru tântrico, para ser capaz de revelar uma Yantra novo para o mundo.

Daí que os Yantras devem ser conservados em sua forma original, não podendo ser colocados invertidos, da mesma forma que a cruz invertida significa outra coisa.

— Dissecando os Yantras:

O poder de Yantras para induzir ressonância é baseada na forma suas especificidades de aparência. Tal diagrama um pode ser composto de um ou mais formas geométricas que se combinam em um modelo preciso representando e transfigurando na sua essência, ao nível do universo físico, a esfera sutil de força correspondente à divindade invocada.

Deste ponto de vista podemos argumentar que o Yantra funciona de forma semelhante a um mantra (palavra sagrada). Por ressonância, uma certa energia do microcosmo do praticante vibra na mesma sintonia com a presente energia correspondente no infinito, no macrocosmo de energia, que é representada no plano físico pelo Yantra.

O princípio da ressonância com qualquer divindade, energia cósmica, aspecto, fenômeno ou energia deve a sua aplicabilidade universal para a perfeita correspondência existente entre o ser humano (visto como um microcosmo verdade) e da Criação como um todo (macrocosmo).

— Contorno

Cada Yantra é delimitado a partir do exterior por uma linha ou um grupo de linhas que formam o seu perímetro. Estas linhas marginais têm a função de manter, conter e evitar a perda das forças mágicas representados pela estrutura do núcleo do Yantra, geralmente ponto central. Eles também têm a função de aumentar a sua força mágica e sutil.

O núcleo do Yantra é composto de uma ou várias formas geométricas simples: pontos, linhas, triângulos, quadrados, círculos e lótus que representam, em diferentes maneiras, as energias sutis.

— Ponto – Bindu

Por exemplo, o ponto (Bindu) significa a energia focalizada e sua concentração intensa. Ele pode ser compreendido como uma espécie de depósito de energia, que pode, por sua vez, irradiar energia sob outras formas. O ponto geralmente é cercado por superfícies diferentes, quer um triângulo, um hexágono, um círculo, etc. Estas formas dependem da característica da divindade ou aspecto representado pela Yantra. Na iconografia tântrica, o ponto é chamado Bindu; no tantra Bindu é simbolicamente considerado Shiva, a fonte de toda a criação.

— Triângulo – Trikona

O triângulo (trikona) é o símbolo da Shakti, a energia feminina ou aspecto da Criação. O triângulo apontando para baixo representa a yoni, o órgão sexual feminino e o símbolo da fonte suprema do Universo, significa o elemento água que tende sempre a voar e ocupar a posição mais baixa possível. Este triângulo é conhecido como SHAKTI KONA. O triângulo está apontando para cima, significa aspiração espiritual intensa, a sublimação de sua natureza para os planos mais sutis e do elemento de fogo (AGNI tattva). O fogo é sempre orientado para cima, assim, a correlação com o triângulo para cima – SHIVA KONA.

A intersecção de duas formas geométricas (linhas, círculos, triângulos, etc) representa as forças que são ainda mais intensas do que aquelas geradas pelas formas simples. Tal interpenetração indica um alto nível na interação dinâmica das energias correspondentes. Os espaços vazios gerados por tais combinações são descritos como muito eficientes campos operacionais das forças que emanam do ponto central do Yantra. É por isso que muitas vezes pode encontrar representações de mantras em tais espaços. Yantras e Mantra são aspectos complementares de Shiva e sua utilização em conjunto é muito mais eficiente do que o uso de uma só.

— A Estrela de 6 pontas – SHATKONA

A combinação típica frequentemente encontrada na estrutura gráfica de um Yantra é a superposição de dois triângulos, um apontando para cima e outro para baixo, formando uma estrela com seis pontos (SHATKONA), também conhecido como Estrela de Davi. Esta forma simbolicamente representa a união de Purusha e Prakriti ou Shiva-Shakti, sem o qual não poderia haver Criação.

— O Círculo – Chakra

Outra forma geométrica simples, muitas vezes usado em Yantra é o círculo, que representa a rotação, um movimento intimamente ligado com a forma de espiral, que é fundamental na evolução Macrocósmica. Ao mesmo tempo, o círculo representa a perfeição, a felicidade plena e o vazio criativo. Na série dos cinco elementos fundamentais representa o ar – Vayu Tattva.

— O Quadrado – BHUPURA

Entre os elementos geométricos simples que compõem Yantras há também a quadrado. É geralmente o limite exterior do Yantra e simbolicamente, representa o elemento terra – Prithivi tattva. Cada Yantra começa a partir do centro, muitas vezes marcado por um ponto central (Bindu) e termina com quadrado exterior. Isto representa o sentido da evolução universal, a partir do sutil e terminando com o grosseiro, a partir de “éter” e terminando com “Terra”.

A maior parte das vezes Yantras são compostos por estas formas geométricas simples, por vezes, encontramos outros elementos como pontas de flecha, tridentes, espadas, picos incluídos no projeto de um Yantra com a finalidade de representar vetores e direções de ação.

— O Lótus (Padma)

O símbolo de Lótus (ou suas pétalas) é um símbolo da pureza e da variedade, cada pétala de Lótus que representa um aspecto distinto. A inclusão de uma flor de Lótus em um Yantra representa a liberdade de interferências múltiplas com o exterior (pureza) e expressa a força absoluta do Ser Supremo.

Visão pessoal…

Em conclusão, um Yantra é um instrumento muito complexo espiritual na prática tântrica (Sadhana). Ele pode acalmar e concentrar as atividades da mente, e por sua auto-sugestão positiva que tem um impacto benéfico sobre a saúde e bem-estar psíquico de uma pessoa. O Yantra sozinho não representa nada. Só quando é despertada pela concentração mental e meditação o processo de ressonância aparece e as energias benéficas do macrocosmo se manifestarão em microcosmo do praticante. Como mostramos acima, a chave secreta para uso Yantras na meditação é a ressonância. O processo de ressonância é estabelecido pela concentração mental sobre a imagem do Yantra. Enquanto a mente está em sintonia com o humor específico associado ao Yantra, os fluxos de energia fluem, mas quando a ressonância é interrompida, a energia desaparece. Uma sugestão para usar os Yantras é pendurá-lo sobre uma parede de frente para Norte ou Leste, colocando o centro dele ao nível dos seus olhos, adotar a postura que mais goste ou, se você quiser, sentar em uma cadeira mantendo a coluna reta; pode respirar pelo nariz e expirar pela boca, mas não force nada, apenas deixe o fluxo e respire normalmente; olhe para o centro do Yantra, tentando piscar o mais raramente possível, sem se preocupar em olhar os detalhes, basta manter a sua visão no centro e observá-lo todo de uma só vez; este exercício deve durar pelo menos 15-30 minutos todos os dias, a experiência será indescritível; com o tempo, depois de pelo menos sete dias de meditação com ele, você será capaz de aproveitar a energia mesmo sem um Yantra (no início você pode fixar sua visão em um ponto imaginário ou exterior ou evocar o Yantra com os olhos fechados); não se esqueça de consagrar os frutos desta prática para com Deus/Fonte (karma yoga) e aconselho a você não perseguir um objetivo ao fazer meditação com ele, apenas deixá-lo gradualmente orientá-lo para as energias sublimes do Macrocosmo. Ao executar estas técnicas, recomenda-se manter um estado de aspiração e intenso desejo de experimentar as energias beatíficas da consciência em fases superiores, já que o Yantra absorve a atenção total do praticante… e ele já não pode dizer se o Yantra é dentro de si mesmo ou se ele está dentro do Yantra… este é o estado de não-dualidade.

Inspiração…

Kundalini and Yantra – PDF – About Mandalas and Symbols

Meditating with Yantras: Breathing Exercises – Humanity Healing Netwo

Nadi Yantra – Scientific Research Publishing

Recomendo…

Fonte – Monicavox

Anúncios

2 respostas em “Yantra – 28.03.2017

  1. Do ponto de vista de objetivos pode-se estabelecer relação entre os yantras e muitas das representações contidas em agroglifos (crop circles), com ampliação de consciência cósmica pelo desvelar de códigos que passamos a acessar pela simples contemplação de cada figura. Em ambos temos a presença constante da Geometria Sagrada.

    Paz & Bem,

    Alexandre
    São Carlos/SP
    👽

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s