A crise na Medicina e a importância de resgatar a Arte de Curar – 26.03.2017

A crise na Medicina e a importância de resgatar a Arte de Curar – 26.03.2017

Vivemos uma crise na Medicina. Não uma crise técnica nem na produção de conhecimento do saber médico. A Medicina convencional e contemporânea evolui muito bem naquilo que se propõe, produzindo técnicas para diagnóstico de doenças, tratamentos medicamentosos, cirúrgicos e até genéticos cada vez mais modernos, avançados e caros. Em menos de 100 anos saímos da descoberta do primeiro antibiótico, a penicilina, para a pesquisa com células-tronco, engenharia genética, transplantes de órgãos e medicamentos de ponta. Deveríamos testemunhar a saúde mundial em alta, cada vez menos doenças e todos vivendo uma vida plena, saudável e feliz.

Porém, observamos nos países desenvolvidos epidemias das doenças crônicas como a hipertensão arterial, diabetes, a obesidade, o câncer, psicopatias e constatamos nos países do terceiro mundo uma mistura destas mesmas doenças junto ao recrudescimento de epidemias de tuberculose, malária, dengue, AIDS e gastroenterites. Além disso observamos impotentes o alarmante crescimento dos transtornos psicológicos e psiquiátricos, tão ou mais incapacitantes que as doenças físicas. A ansiedade, o estresse, a depressão e diversos outros transtornos psiquiátricos apresentam‐se nos adultos, nos idosos e também em crianças.

A conclusão advinda desses fatos é que esse paradoxo não se deve a problemas genéticos, já que nosso genoma não se altera tão rapidamente, mas sim a problemas de origem epigenética, epi significando “acima de”. Acima da predisposição genética estão o estilo de vida, comportamentos, escolhas e decisões quanto ao que iremos comer, se iremos nos exercitar, fumar, ingerir álcool ou drogas, cuidar bem de nosso emocional e ampliar a consciência ou não.

Estes são os fatores que irão determinar se adoeceremos ou permaneceremos saudáveis, se os genes das doenças ou os da saúde serão ativados ou desativados, se teremos alterações no colesterol, triglicérides, glicemia, se nosso metabolismo estará equilibrado gerando saúde ou desequilibrado desencadeando as doenças crônicas. Não há remédios para fazer com que escolhamos, com sabedoria e consciência, somente remédios para tratar ou remediar as condições de saúde que nosso comportamento vier a desencadear.

A maneira como a medicina e também a psicologia contemporâneas focam na doença, nos sintomas, no diagnóstico em detrimento das pessoas que adoecem, pode ser uma das explicações para a incongruência do avanço da tecnologia biomédica simultânea à explosão das doenças crônicas e mentais, e uma das explicações do por que as pessoas buscam cada vez mais especialidades da medicina integrativa para seus tratamentos, como a acupuntura, homeopatia, meditação e mudanças no estilo de vida. A racionalidade médica ocidental não se dá conta que não deveria ser somente um saber científico, mas também uma arte de curar.

A Medicina Integrativa busca ser essa arte de curar que há muito foi perdida no tecnicismo e no olhar para o micro em detrimento do todo e do sistema. A medicina convencional se distanciou de sua dimensão terapêutica na afã de investigar e achar explicações para as doenças, usando métodos diagnósticos modernos e sofisticados, especializando‐se profundamente no cada vez menor, conhecendo cada vez mais sobre cada vez menos. A singularidade do paciente e a totalidade biopsíquica foram esquecidas ou no mínimo relegadas a segundo plano.

Somos vistos como órgãos, tecidos e sistemas doentes, uma visão mecanicista e cartesiana, cujos tratamentos visam a desaparição destes sintomas e o trânsito por diversas especialidades cada uma avaliando e tratando uma “peça” da “engrenagem” como se fôssemos máquinas. As Medicinas Tradicionais como a homeopatia, a acupuntura, a Medicina Tradicional Chinesa e Ayurvédica levam em conta a singularidade de cada pessoa, a sua totalidade biopsíquica, os fatores sociais e biopatográficos, que causam a doença, e abordam individualmente a maneira de cuidar.

O objetivo não é somente tratar doenças, mas promover a saúde. O ideal não é tratar após a doença ter sido desencadeada, mas sim a prevenção. O modelo não é centrado em hospitais e instituições de saúde, e sim centrado na pessoa que adoece, que volta a ser o ator principal no processo para a cura. Assim temos a retomada da boa relação médico-paciente, tão distanciada nas últimas décadas.

Inclusive a ideia de paciente enquanto pessoa passiva, que recebe e cumpre orientações do profissional médico, de cima para baixo e sem questionamentos se transforma numa relação entre um profissional facilitador e uma pessoa que procura ajuda, com autonomia, decisões e escolhas, além de responsabilidade por seu tratamento e cura, numa terapêutica centrada na pessoa.

As pessoas querem ser tratadas em sua totalidade, não somente diagnosticadas. A questão da cura retoma sua importância. Cura no sentido de cuidado, atenção, como quando se prepara uma compota ou um doce, lentamente, para apurar seu sabor. Toda relação humana é repleta de simbolismo, afetos e significados, e a relação médico/terapeuta-paciente/pessoa também o é e não deveria nunca perder essa essência. A medicina técnico-científica buscou a objetividade e neutralidade, o que ocasionou afastamento e muita frieza na relação, um dos fatores para o aumento da insatisfação e até mesmo dos processos judiciais promovidos por pacientes decepcionados.

Integrar o melhor das duas racionalidades, a medicina convencional contemporânea e as práticas da medicina complementar e integrativa, é unir recursos poderosos e tornar muito mais eficiente o processo para uma cura plena, uma saúde do corpo e da mente, para a prevenção e qualidade de vida que todos desejamos.

— Os princípios da medicina holística

Para a medicina holística, o amor e o apoio incondicionais são as ferramentas de cura mais poderosas. A prática ainda possui os seguintes princípios:

. Cada pessoa é responsável por sua própria saúde e bem-estar;

. Todas as pessoas são dotadas de poderes de cura intrínsecos;

. O processo de cura exige um trabalho em equipe que envolve tanto o médico quanto o paciente, abrange todos os aspectos da vida de uma pessoa e pode utilizar uma variedade de métodos da área da saúde;

. O tratamento deve envolver a solução da causa do problema e não simplesmente o alívio dos sintomas causados por ele.

Visão pessoal…

Mas do que se trata especificamente a medicina holística? Bem, para começo de conversa, vamos dar uma olhada no significado da palavra holística. Ela deriva do termo grego holos, que quer dizer todo. Em outras palavras, é uma medicina que leva em consideração a totalidade do ser. A ideia é levar em conta os diversos aspectos da vida do ser humano como os fatores físicos, psicológicos, espirituais e socais na hora de controlar e prevenir o desenvolvimento de doenças. A medicina holística está baseada no conceito de que o bem-estar da pessoa não depende somente no estado físico do corpo, em termos de doenças, mas também está relacionado a esses outros fatores. A crença da medicina holística é que uma pessoa é composta por partes que são dependentes uma da outra e que se uma delas não funciona bem, as outras também serão afetadas. Por exemplo, um problema na mente poderá refletir também em uma complicação física. Todos os aspectos são considerados importantes e devem ser controlados de maneira conjunta para que o paciente seja tratado em sua totalidade. Um tratamento pode ser classificado como holístico quando o profissional de saúde preocupa-se e informa-se sobre toda a vida de seu paciente. Isso é necessário para que o médico possa cuidar não apenas dos sintomas apresentados, mas também da raiz do problema que faz com que o organismo emita determinados sinais. Para saber se o profissional em questão é de qualidade, a melhor saída é sempre pesquisar. Procure saber onde ele estudou, trabalhou, quais suas especialidades e experiências e se ele possui certificados na área da medicina holística. Ao se consultar, avalie se ele realmente utiliza a técnica, considerando a sua importância como paciente no processo, faz com que você se sinta confortável e respeitado em relação às suas crenças e preocupações, se empenha-se em conhecer você como uma pessoa em sua totalidade, se questiona sobre os diversos aspectos de sua vida – físico, espiritual, social e psicológico – e se propõe um tratamento que vai além da prescrição de medicamentos….

Inspiração…

Curso Completo de Terapia Holística e Complementar – Nei Naiff

A Medicina Integrativa e a construção de um novo modelo

Medicina Alternativa e Nova Era

Uma concepção holística do homem

Dr. Roberto Debski –  Médico – CRM SP 58806 – Psicólogo – CRP/06 84803

Coach e Trainer em Programação Neurolinguística

Recomendo…

Fonte – Monicavox

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s