Plutão está emitindo raios-X, e está desafiando a nossa compreensão do Sistema Solar – 26.09.2016

Plutão está emitindo raios-X, e está desafiando a nossa compreensão do Sistema Solar – 26.09.2016

Amigos e alunos,

Compartilhamos uma notícia de interesse de todos e explicamos que isto está ocorrendo porque as estrelas Cygnus X-3 e outra mais recente estão emitindo raios gama para o nosso Sistema Solar e com isso Plutão tem respondido como antena retransmissora ou quase à mesma frequência do pulso dessas estrelas próximas, como efeito da linha de sincronicidade que é necessária para o futuro Salto Quântico que todos teremos que emitir. Daqui alguns meses ou no máximo um ano será a vez de Júpiter e Saturno iniciarem suas mudanças nas camadas externas de sua atmosfera devido a esses pulsos de energia.

Rodrigo Romo

cygnus-x3-gamaPlutão está emitindo raios-X, e está desafiando a nossa compreensão do Sistema Solar. Isto é muito estranho.

Josh Hrala
18 SEP 2016 via Science Alert

plutaoPlutão está emitindo raios-X

Os astrônomos que trabalham no Observatório Chandra da NASA testemunharam o planeta anão favorito de todos, Plutão, emitindo raios-X. E é a primeira vez que um objeto no Cinturão de Kuiper faz algo assim.

Esta estranha descoberta poderia ajudar os pesquisadores a entender mais sobre a atmosfera de Plutão, bem como as atmosferas de outros objetos nos cantos remotos do nosso Sistema Solar.

“Acabamos detectando, pela primeira vez, raios-X provenientes de um objeto em nosso Cinturão de Kuiper e entendemos que Plutão está interagindo com o vento solar de forma inesperada e energética”, disse o líder da equipe de Carey Lisse, da Universidade Johns Hopkins. “Podemos esperar que outros grandes objetos do Cinturão de Kuiper estejam fazendo o mesmo.

A equipe tomou conhecimento das emissões de raios-X durante a missão New Horizons, em 2015. Como a espaçonave saiu para o planeta distante que se encontra no seu ponto mais distante a 7,5 bilhões de quilômetros (4,67 bilhões de milhas) de distância da Terra, os astrônomos do Chandra observaram Plutão em quatro ocasiões distintas, encontrando evidências de um brilho de raio-X em cada ocasião.

Esta é uma descoberta surpreendente, porque ao contrário da Terra e outros corpos celestes do nosso Sistema Solar, Plutão não tem um campo magnético e está extremamente longe do Sol – dois fatores que sugerem fortemente que a emissão de raios-X seria impossível.

“Antes das nossas observações, os cientistas pensavam que era altamente improvável detectar raios-X de Plutão, provocando um forte debate sobre se Chandra deveria gastar tempo observando esse fenômeno.”, disse o membro da equipa Scott Wolk, do Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica.

“Antes de Plutão, o corpo do sistema solar mais distante, com emissão de raios-X detectado foram anéis e discos de Saturno.”

Apesar das dúvidas, Lisse conhecia pesquisas anteriores onde o gás que circunda corpos planetários podem interagir com partículas de vento solar para criar raios-X – uma hipótese que agora é apoiada pelas observações do Chandra. Mas o estranho é que Plutão está emitindo raios-X muito mais do que um corpo com apenas gás circundante deveria, na grande distância do Sol.

Enquanto ainda há muito a descobrir, a equipe diz que as emissões podem ser causadas por campos magnéticos interplanetários que empurram as partículas mais solares em direção a Plutão, causando mais emissões do que eles normalmente imaginavam.

Ou pode ser que exista um longo rastro de gases remanescentes atrás do planeta anão que não foram observados pela New Horizons.

Esperamos que mais pesquisas venham nos ajudar a descobrir o que está por trás dos raios-X de Plutão, e dado que os resultados sugerem que outros objetos do Cinturão de Kuiper pode também emitir raios-X, os astrônomos estão provavelmente procurando prova disso também.

O trabalho da equipe foi publicado em Icarus.

Fonte original em Inglês: http://www.sciencealert.com/astronomers-discover-that-pluto-is-emitting-x-rays-2

***

Sobre atividades recentes da Cygnus X-3

Como já era previsto há alguns dias, o candidato a estrela de nêutrons e a buraco negro Cygnus X-3 começou uma enorme exibição de chamas de rádio. Isto sucede a criação de um jato de plasma relativístico que atravessa o meio estelar para distâncias até dezenas de anos-luz emitindo raios cósmicos, raios gama, raios-x, etc. Estes são projetados ao longo de seu eixo em direção à terra. A chama gigante começou em 30 de agosto e vai continuar por alguns dias. Eles virão em ciclos de 4,8 horas, e, assim, cinco ciclos por dia. Lembre-se de que os raios cósmicos do Cygnus X-3 são de carga neutra e únicos em sua natureza (eles foram denominados cygnets na década de 1980). Isto significa que podem vir diretamente da fonte e passar por campos magnéticos sem interrupção (ao contrário da maioria dos outros raios cósmicos, que são espalhados como gotas de chuva ao vento). Cygnets podem penetrar a rocha a distâncias além de 200-300 metros. Para melhor detecção (longe da poluição atmosférica eletromagnética) vá bem para o subsolo, apague as luzes e espere. Você finalmente vai começar a ver flashes na frente dos olhos. Estes fosfenos, como são conhecidos, podem ser os raios cósmicos e mais especificamente os cygnets de Cygnus X-3.

Uma mensagem para os astrônomos de plantão:

O início de um surto de rádio gigante da Cygnus X-3

Fonte: http://www.astronomerstelegram.org/?read=9444

Como sugerimos na ATel # 9416, a microquasar galáctica Cygnus X-3 está atualmente passando por uma atividade de queima. Se em 30 de agosto de 2016 (MJD 57.630,798) seus fluxos foram 120-128 MJY em 4,6, 8,2, 11,2 GHz nas observações do telescópio de rádio RATAN-600, em seguida, em 31 de agosto (MJD 57.631,795) os fluxos tornaram-se 60, 300, 570, 740, 800 MJY em 2,3, 4,6, 8,2, 11,2 e 21,7 GHz com erros típicos de cerca de 3-7%. Esse espectro é caracterizado por emissões opticamente espessas de sincroton em frequências mais baixas 4-6 GHz e opticamente finas em maior emissão 8-10 GHz. É usual para jatos relativísticos compactos ou um início da ejeção e foram encontrados algumas vezes nas curvas de luz multi-frequência de Cygnus X-3 (ver Atel # 1881). Concluímos que os fluxos irão evoluir para graus mais elevados e é muito relevante o acompanhamento multi-frequência e, especialmente, o mapeamento VLBI da fonte. 

Fonte sobre Cygnus X-3 e Andrew Collins: http://www.andrewcollins.com/page/articles/thecygnusmystery_evolution.htm

Fonte – Portal Shtareer

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s