O crescimento surpreendente do Efeito Mandela! – 13.08.2016

O crescimento surpreendente do Efeito Mandela! – 13.08.2016

— O Efeito Mandela: Quando História não vai ficar como está.

A frase “Efeito Mandela” está crescendo em um ritmo exponencial desde julho de 2015 de acordo com o Google Tendências. Parte do que está alimentando o rápido aumento na discussão sobre o Efeito Mandela é que alguns dos jornalistas que escrevem artigos sobre o aumento do interesse nestes fenômenos estão experimentando ele também. Um repórter notou que uma sequência de amor brega frequentemente lembrado entre dois personagens no filme de James Bond, Moonraker, não existe mais, apesar de sua lembrança (e minha também) de que “Dolly tinha aparelho nos dentes!”

Efeito Mandela-Post-20.08.2016Enquanto muitos são surpreendidos pela recente onda de interesse no “Efeito Mandela”, alguns de nós que pesquisam e escrevem sobre este fenômeno de mudanças de realidade e histórias alternativas estão percebendo um aumento de interesse.

— O que é o efeito Mandela?

O “Efeito Mandela” recebeu este nome depois que o revolucionário Sul Africano anti-apartheid Nelson Mandela se tornou um tópico de interesse no ano de 2010 com muitas pessoas notando com surpresa que ele estava vivo naquela época, já que elas se lembravam dele ter morrido na prisão. Eu tinha publicado relatos semelhantes de mortos sendo observados vivos novamente no meu livro de 1999, “Mudanças de Realidade” e relatado em primeira mão no site RealityShifters com relatos de pessoas em todo o mundo percebendo muitas pessoas que lembravam estar mortas aparecendo vivas novamente. Estas observações são apenas um dos muitos tipos de Efeito Mandela, com outros exemplos notáveis incluindo alterações de letras de músicas, diálogos de filmes, cenas de filmes, geografia física, anatomia fisiológica e nome de produtos.

O Efeito Mandela é uma daquelas coisas que a maioria das pessoas não acredita até que aconteça com ela. Como se apaixonar ou passar por um desgosto, o Efeito Mandela é algo que você tem que experimentar a fim de abraçar plenamente. E mesmo assim, muitas vezes leva mais do que uma ou duas experiências para romper a resistência, a maioria de nós tem que aceitar a existência de algo que desafia fundamentalmente a nossa suposição fundamental tácita, de que fatos e eventos históricos não mudam. Este viés perceptivo foi poeticamente expresso no Rubaiyat.

“O dedo em movimento escreve e sendo mandado, se move: nem toda a tua piedade e sagacidade consegue atraí-lo de volta para cancelar meia linha nem todas as tuas lágrimas lavam uma palavra dele”. – Omar Khayyam 

Ao nos depararmos com evidências indicando que na verdade a história mudou, é chocante descobrir quando algumas linhas foram canceladas e limpas! Estamos nos aproximando do “ponto de viragem”, onde está ficando mais difícil para os escarnecedores dizerem que não existe tal coisa como o Efeito Mandela/mudanças de realidade/histórias alternativas. O termo “Efeito Mandela” originou-se no blogger de Fiona Broome em 2010 depois que ela participou de uma conferência onde muitas pessoas conversaram com ela sobre lembranças de como Nelson Mandela havia morrido muitos anos antes, embora a história oficial registrada na época não indicava que alguma coisa assim tinha realmente ocorrido.

Efeito Mandela-Post-20.08.2016-1Artigos escritos por algumas pessoas sobre suas experiências do Efeito Mandela mostram evidências do aumento da consciência popular. Artigos escritos por pessoas que vivenciaram o Efeito Mandela incluindo Mark LaFlamme do Lewiston Sun Journal (“O efeito está me enlouquecendo”), ele notou uma mudança de lado no qual seu pai está de pé em uma foto antiga da família, também Karl Puschmann do New Zealand Herald diz (“Berenstein ou Berenstain O enigma está fazendo os amantes do livro ficarem loucos?”), onde certos livros infantis populares deveria estar escrito “Berenstein” e não a forma como eles “estão escritos”, como Berenstain.

Tom Siebert de San Diego (“Tecnologia e Memória mais abaixo na toca do coelho”) que notou uma mudança em uma cena memorável de um filme do James Bond, Moonraker, na qual a menina com aparelho nos dentes que caiu de amores por outro personagem com brilho nos dentes já não tem mais o aparelho nos dentes. Eu assisti o filme de James Bond, Moonraker várias vezes enquanto estava na faculdade e também lembro da cena memorável em que a menina loira chamada Dolly que usa óculos e tranças compartilha um momento brega com Richard Kiels do personagem mandíbulas, quando ela percebe que os dentes brilhantes dele complementam o aparelho brilhante nos seus dentes. Só que agora, ela não tem mais nenhum aparelho nos dentes. A imagem abaixo faz parte dos dados originais do filme Monraker no site da Universalexports.

Efeito Mandela-Post-20.08.2016-2Considerando individualmente, a forma como a observação de tais discrepâncias entre o que lembramos e a evidência histórica registrada que foi observado até agora, uma única pessoa pode sentir-se perturbada por perceber uma mudança que foi ignorada, ou pensaria ter cometido algum tipo de erro cognitivo. Mas quando estas lembranças “conflitantes” são consideradas coletivamente, precisamos enfrentar a possibilidade de que estamos testemunhando coletivamente acordados a consciência de fatos históricos de forma diferente da lembrada de quando tomamos conhecimento pela primeira vez.

Alguns escarnecedores deduziram que os experimentadores do Efeito Mandela que estão percebendo palavras familiares em filmes, programas de TV, livros e produtos, são mais susceptíveis de compartilhar “falsas memórias”, devido ao fato de que as memórias humanas não são totalmente confiáveis. No entanto tal explicação nos permite rever algumas suposições antigas “inquestionáveis” que têm calmamente começado a se desintegrar em seus próprios fundamentos desde o advento da física quântica há pouco mais de cem anos atrás. Enquanto a física quântica nos mostra que não existe tal coisa como um observador objetivo e atualmente dois terços dos físicos recentemente pesquisados concordam que você, eu e qualquer coisa que existe está em uma superposição de estados, é evidente que precisamos rever tanto a nossa metodologia científica, quanto nossas suposições sobre a realidade.

Superposição: O princípio da superposição afirma que enquanto não soubermos qual é o estado de qualquer objeto, na verdade ele está em todos os estados possíveis simultaneamente, contanto que nós não olhemos para verificar. É a própria medição que faz com que o objeto seja limitado a uma única possibilidade. (fonte) 

Embora concorde com a observação de que as memórias humanas muitas vezes não coincidem com os registros históricos atuais, está claro que a interrupção do processo de pensamento a respeito do Efeito Mandela nesse momento é prematura e não coincide com o que estamos aprendendo sobre a primazia da lógica quântica no mundo natural.

Estive pesquisando este fenômeno desde os anos 1990. Ele foi originalmente chamado de “mudanças de realidade” e apareceu pela primeira vez na versão impressa do livro “Memória Futura” de PMH Atwater para descrever experiências comuns (ainda estranhas) de pessoas que passaram por uma EQM (Experiência de Quase Morte). Tenho escrito sobre recordações individuais de histórias alternativas envolvendo tudo, desde mudanças em livros, a lembrança de pessoas mortas aparecendo vivas, a mudanças na forma como a memória motora funciona desde 1999, na mais antiga edição do meu primeiro livro sobre este assunto, “Mudanças de Realidade: Quando consciência muda o mundo físico” e na minha e-revista mensal livre “Mudanças de Realidade“.

Atualmente estou seguindo este tema mudanças de realidade/Efeito Mandela em entrevistas com especialistas nas áreas da biologia quântica (tais como Johnjoe McFadden), da cognição quântica (como Jerome Busemeyer) e da cosmologia quântica (tais como Yasunori Nomura) no meu blog e no “Vivendo o Sonho Quântico“. O que eu estou percebendo é que este fenômeno parece não ser novo, mas chegamos a um ponto na sociedade onde pela primeira vez somos capazes de compartilhar memórias com outras pessoas que são diferentes do todo coletivo e às vezes nossas memórias mostram o mesmo tipo de passados alternativos que físicos como Stephen Hawking nos disseram existir.

Quando consideramos a questão de “confabulação” e “falsas memórias” neste alvorecer da nova era quântica, percebemos que podemos chamar estas “lembranças alternativas”, de reconhecimento de consciência pelo fato de sabermos que cada um de nós existe em um estado sobreposto, com acesso a muitas histórias alternativas possíveis, presentes e futuras. A ideia de que os muitos mundos da física quântica podem ser um e o mesmo multiverso que tem sido proposto por estes físicos estimados como Dr. Yasunori Nomura e Dr. Raphael Bousso da UC Berkeley, onde um número crescente de cientistas estão otimistas de podermos encontrar evidências que nós na verdade, vivemos em um multiverso.

— Encontrando Evidências de Muitos Mundos em Histórias Alternativas

Existe um emocionante lado humano no assunto de histórias alternativas e mundos paralelos. Enquanto nós ainda não temos a tecnologia para mostrar fotos do passado com evidências de universos paralelos que colidem com o próprio tecido da nossa realidade desde o dia em que nascemos, nós podemos olhar para ver que tipos de provas somos capazes de recolher mais facilmente. Se estivéssemos sentindo os efeitos de universos paralelos, seria de esperar percebermos ocasionalmente que a história não fica parada. Ocasionalmente, nós teríamos muitas ideias diferentes sobre o que aconteceu, do que experimentamos antes, ou do que os outros experimentaram antes. Como seriam estas histórias alternativas?

Dr. Robert A. Burton relata uma experiência fascinante em seu livro, “É certo: crer que você está certo, mesmo quando você não está“, ao frequentar um jantar de reencontro na escola de medicina a conversa se voltou para onde as pessoas estavam quando ouviram a notícia de que Kennedy foi assassinado. Burton e seus colegas estavam no segundo ano da faculdade de medicina, assistiam aulas semelhantes e saiam juntos. Um argumento eclodiu entre os participantes da reunião com um urologista pensando que eles estavam todos no almoço, um interno lembrou que estavam no laboratório e um patologista lembrou estarem em um pub no fim da rua do centro médico. Os colegas se voltaram para Burton ser o critério de desempate, fixando a história de forma correta, o patologista e o urologista concordaram em uma coisa que eles anunciaram em uníssono: “Todo mundo se lembra do assassinato de Kennedy”.

Se esta foi a primeira vez que tais diferenças de memória relacionadas a eventos significativos ocorreram, podemos descartar com um bem-humorado “deixa pra lá”. Mas o fato da questão é que os pesquisadores estão cada vez mais conscientes do que eles chamam de “falsas recordações”. Com o advento da era quântica, podemos chamá-las de “lembranças alternativas”, indicando consciência do fato de que sabemos que cada um de nós existe em um estado sobreposto, com acesso a muitas histórias alternativas possíveis, presentes e futuras.

Efeito Mandela-Post-20.08.2016-3Ulric Neisser e Nicole Harsch realizaram estudos de precisão das lembranças de eventos com os estudantes da Universidade de Emory no momento da explosão do ônibus espacial Challenger, começando pela coleta de relatos em primeira mão dos 106 alunos no dia logo após o desastre, pedindo detalhes de como eles ouviram falar da explosão, o que estavam fazendo no momento, onde eles estavam e como se sentiram. Os investigadores perguntaram aos mesmos alunos dois anos e meio depois e ficaram surpreendidos ao descobrir que os alunos alcançaram uma pontuação média de 2,95 de concordância em comparação com uma pontuação esperada de 7%. Menos de 10% dos alunos foram capazes de corresponder exatamente com a sua memória da origem dos acontecimentos e mais da metade dos alunos teve uma pontuação inferior a 2%.

Os achados mais notáveis neste estudo de memória “flash de lâmpada”, foram as reações dos alunos quando confrontados com lembranças conflitantes. Muitos estudantes continuaram afirmando com segurança que suas memórias atuais dos eventos estavam completamente precisas, mesmo quando confrontados com as suas próprias anotações no diário escritos à mão. Um estudante resumiu o que aconteceu de forma sucinta:

“Essa é a minha letra, mas isto não é o que aconteceu”. 

É importante notar que nesta nova era quântica, tais casos de histórias alternativas são esperados. Eles fornecem evidências da superposição de estados que nós e tudo ao nosso redor existe dentro, por isso podemos esperar visualizar ocasionalmente registros documentados do passado que diferem do que nos lembramos. Na era quântica, entendemos que mesmo vendo nossas próprias notas manuscritas elas não são absolutamente o que lembramos, é uma maneira de histórias alternativas se tornarem conhecidas.

— Os físicos Concordam: Você está em uma Superposição de Estados

Quando entendemos que as nossas estruturas de crenças são criações de nossas mentes, começamos a perceber como as estruturas de crenças individuais podem variar de pessoa para pessoa. O que uma pessoa considera ser realista e fato, pode parecer absurdamente peculiar para outra. Mesmo a ideia de que outras pessoas realmente enxergam imagens em suas mentes pode parecer estranho para algumas pessoas, muito menos o que estas pessoas veem. Quando pessoas o suficiente mudarem suas estruturas de crenças de como olham para o mundo, os paradigmas culturais vão mudar.

Se manter atualizado sobre as novas descobertas científicas pode ajudar. Enquanto a maioria dos não físicos provavelmente enxergam um objeto físico sólido em uma mesa ou uma cadeira apenas como parece ser, um notável 2/3 dos físicos entrevistados em 2011 declararam acreditar que todos os objetos podem existir em estados sobrepostos, da mesma forma que sabemos que “partículas” quânticas existem tanto como probabilidades energéticas, quanto partículas físicas que podemos medir e observar. Na universidade de Portland, Oregon, o professor de física Maximilian Schlosshauer resumiu este acordo notável assim:

“Mais de dois terços acreditam que não existe limite fundamental para a teoria quântica, que deve ser possível para objetos não importa quão grande seja, está preparado em superposições quânticas, como o gato de Schroedinger. Assim, a era em que a teoria quântica estava associada apenas com o reino atômico finalmente acabou”. 

— Uma base científica para a adaptação instantânea em fatigantes vezes

Efeito Mandela-Post-20.08.2016-4A suposição científica de que os organismos experimentam mutações aleatórias foi seriamente abalada pelo professor de Harvard John Forster Cairns que em 1988 propôs que os próprios organismos estavam preferencialmente produzindo mutações benéficas. Cairns realizou experimentos com a bactéria E. Coli onde demonstrou que em momentos de estresse, quando as bactérias estavam famintas pelos alimentos que eram capazes de digerir, elas fizeram “mutações de adaptação” para serem capazes de receber o sustento nutritivo de uma fonte de alimentos que nunca teriam sido capazes de consumir antes. Este fenômeno em que a E. Coli mudou exatamente os genes ideais quando era necessário, foi uma mutação que não tinha base conhecida nem explicação de teorias estabelecidas em genética e de fato parecia contradizer um dos dogmas centrais da biologia molecular de que o fluxo de informação segue apenas em numa direção durante a transcrição do ADN para as proteínas de um organismo celular. John Cairns e Julie Overbaugh e outros propuseram um mecanismo em que o que pode estar acontecendo é que “a célula poderia produzir um conjunto altamente variável de moléculas de mARN e, em seguida, inverter/transcrever o que estava definido como a melhor proteína”.

Se fazer engenharia reversa das mutações das bactérias para que elas possam começar a digerir lactose parece loucura, isto pode ajudar a saber que existe um caso comprovado semelhante de sucesso de adaptação biológica quântica: a fotossíntese. Aqueles que pensam que a tecnologia humana moderna é mais rápida e mais eficiente do que o mundo natural ficarão surpresos ao saberem que as nossas melhores células fotovoltaicas tem apenas 20% de eficiência, em comparação com a fotossíntese de plantas e bactérias que alcançam normalmente 95% de taxa de eficiência para transformar a luz solar em energia. As plantas existem na Terra há milhões de anos, por isso não é muito surpreendente descobrir que o seu processo natural de fotossíntese utiliza a coerência quântica para acelerar as coisas. Em décadas passadas, os cientistas acreditavam que os elétrons excitados liberavam energia aleatoriamente através de sistemas fotossintéticos nas plantas, pulando de uma molécula para outra. Medidas modernas de energia no novo campo da biologia quântica estudando plantas fotossintetizantes indicam que algo muito mais eficiente está acontecendo. O que parece estar acontecendo é que os elétrons tiram proveito do fato de que a energia não pode se mover apenas na forma material, mas também na forma de energia pura e sistemas inteiros de moléculas podem emaranhar-se para permitir a formação de uma onda coerente que tenta seguir por diferentes vias simultaneamente, até que é determinado muito rapidamente a via mais eficiente. A magia quântica acontece em cada um dos milhões de cada célula fotossintética de proteínas de antena que são surpreendentemente eficientes e robustas para direcionar energia com mínima perda na movimentação.

Na universidade de Toronto o biofísico Greg Scholes publicou suas descobertas do comportamento de coerência quântica em temperatura ambiente de algas marinhas comuns na natureza. Scholes descreve como uma analogia de dirigir para casa na hora da pressa para explicar o que essas células estão fazendo:

“…Você tem três modos de condução para casa com o tráfego da hora da pressa. Em um determinado dia, você segue apenas um. Você não sabe se as outras rotas seriam mais rápidas ou mais lentas. Mas na física quântica, você pode ter todas as três rotas simultaneamente. Você não especifica onde está até chegar, de modo que você sempre escolhe a rota mais rápida”. 

Efeito Mandela-Post-20.08.2016-5— Vantagens em experimentar Realidades Alternativas

Minha conclusão é que todo mundo está experimentando mudanças de realidade que geralmente são deixadas de lado com a suposição (na maioria dos ambientes sociais), de que houve confusão ou erro de percepção, com ambas as partes assumindo que o outro cometeu algum tipo de erro mental. A razão de eu levantar o tema das memórias flash de lâmpada no meu livro, “Saltos Quânticos“, é compartilhar os resultados extraordinários destes pesquisadores que pediram aos calouros da faculdade para gravar seus relatos do evento escritos à mão, em seguida, recuperá-los algum tempo depois.

Graças a esta pesquisa e o resultado impressionante do efeito placebo, temos agora uma oportunidade de reconhecer que em vez de explicar as mudanças de realidade como “lapsos de memória” ou confusão, estamos assistindo a forma como fenômenos quânticos ocorrem em todos os níveis da realidade e não só sendo chamados de “corte de von Neumann”, tenho a sensação de que a investigação nestes domínios está prestes a levar-nos a um novo nível de consciência em que fatos podem mudar e compreendermos nossa verdadeira identidade como sendo a consciência pode nos ajudar a encontrar o melhor caminho para seguir experimentando todas as várias realidades possíveis.

— O que você percebe se está em uma Superposição de Estados?

Qual seria a sensação de existir em uma superposição de estados? Como você pode dizer? Você pode notar coisas como: memórias de infância marcadamente diferentes dos seus irmãos, cura espontânea ou rápida de doenças ou lesões, diálogos diferentes de filmes, textos diferentes em livros, nomes de produtos, letras de músicas, programas de TV e celebridades vivas novamente depois de terem sido dadas como mortas. Na verdade, isto é precisamente o que as pessoas estão relatando com tais exemplos comumente reconhecidos como:

Efeito Mandela-Post-20.08.2016-6• “Ursos Berenstein vs. Ursos Berenstain (livro infantil);

• A rainha da Branca de Neve diz: “Espelho, espelho na parede” vs “Espelho mágico na parede”. (no Branca de Neve);

• O Sr. Rogers canta “É um dia bonito na vizinhança” vs “É um dia bonito neste bairro”. (no Bairro do Senhor Rogers);

• Darth Vader diz a Luke Skywalker, “Luke, eu sou seu pai” vs “Não, eu sou seu pai”. (no Guerra nas Estrelas);

• Forrest Gump diz: “Mamãe sempre disse: “A vida é igual a uma caixa de chocolates” vs “Mamãe sempre disse: A vida era igual a uma caixa de chocolates”. (no Forrest Gump);

• “Nós vamos precisar de um barco maior” vs “Você vai precisar de um barco maior”. (no Mandíbulas).

— Efeito Mandela relatados na Ascensão

Além de algumas dessas experiências compartilhadas comumente relatadas como histórias alternativas, algumas pessoas também estão lembrando outras coisas de maneira diferente, como: “Se você construir, eles virão” em vez de agora, “Se você construir, ele virá” (no Campo dos Sonhos) e “Jiffy” manteiga de amendoim em vez de “Jif”. Um número crescente de repórteres e autores honestos começam a exibir suas próprias experiências com o Efeito Mandela, junto com algumas experiências privadas que só eles reconhecem e variedades compartilhadas mais publicamente, vamos continuar aumentando a conversa sobre o Efeito Mandela, porque um número crescente de pessoas estão percebendo isto agora.

Enquanto isto, eu recomendo que você se mantenha perguntando “o quão bom isto pode ficar?” Para aproveitar a imaginação e sua capacidade de fornecer auto orientação aos seus níveis mais elevados de consciência. Fazendo esta pergunta ajuda a garantir que estamos honrando nosso crescimento a longo prazo, que estamos mais completos e mais harmoniosamente interligados na experiência ideal. Podemos confiar em nossos níveis superiores mais abrangentes de consciência e ao fazê-lo, vamos continuar a ter diferentes transformações instantâneas do passado enquanto nos movemos através destes tempos estressantes para as realidades ideais.

OBS: Para acionar a legenda clique no ícone legendas, depois em detalhes clique em legendas CC e traduzir automaticamente, então escolha português (tradução + – do Google).

©Cynthia Sue Larson

Origem: wakeup-world

Tradução e Divulgação: A Luz é Invencível

A “Luz é Invencível” tem por norma não publicar comentários com links.
Pedimos a compreensão de todos, para qualquer dúvida temos nossa caixa de sugestões onde todos podem livremente fazer suas colocações que serão arquivadas para consultas posteriores. Agradecemos a compreensão de todos.
Equipe da “Luz é Invencível”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s