Uma viagem ao Cérebro Humano – 10ª Parte – 11.12.2015

Uma viagem ao Cérebro Humano – 10ª Parte – 11.12.2015

Também conhecida como cefaleia, a dor de cabeça é uma das principais causas de automedicação no Brasil e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), atinge cerca de 90% da população mundial. Segundo o Dr. Mauro Eduardo Jurno, coordenador do Departamento Científico de Cefaleia da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), diversas são as causas, formas de tratamento e também as maneiras de prevenir o incômodo.

Cérebro-Post-11.12.2015A tensão do dia a dia é a causa mais frequente das dores de cabeça/enxaqueca, mas, elas podem aparecer por diversas causas e não escolhem idade e sexo. Vamos conhecer os cuidados que se deve ter com as dores de cabeça, os problemas das pessoas que sofrem de enxaqueca, e as causas mais frequentes. As dores de cabeça são um mal extremamente comum, mas, ao mesmo tempo, um dos mais difíceis de se definir. A dor varia de intensidade: é sentida como um ligeiro desconforto ou como uma dor insuportável. As causas são tão variadas que, muitas vezes, fica difícil determinar com exatidão qual o problema físico ou emocional que está na raiz do problema. Felizmente, em sua maioria as dores de cabeça não são sintomas de um problema grave, mas apenas sinais de tensão, fadiga, ansiedade ou distúrbios emocionais. Algumas vezes a dor de cabeça é reflexo de um distúrbio em alguma outra parte do corpo, muito raramente ocorrendo como resultado de uma doença grave. A enxaqueca é um tipo especial de dor, que afeta apenas uma área limitada da cabeça. Em geral, é acompanhada de outros sintomas, como vômitos ou perturbações da visão. Ao contrário do que muitos pensam, dor de cabeça não tem relação direta com a tensão emocional, mas sim com a tensão ou contração exagerada, anormal e mantida de grupos musculares dos ombros, pescoço, couro cabeludo e até face. É o tipo de dor de cabeça mais comum que existe, mas por não ser tão intensa e incapacitante, faz com que seus portadores, mesmo crônicos, não procurem tanto a ajuda médica como, por exemplo, fazem os sofredores de enxaqueca.

– Os estudos científicos

Há estudos que sugerem que estas dores, quando em caráter crônico, são decorrentes de anomalias bioquímicas de áreas do cérebro envolvendo o sistema analgésico do próprio cérebro. Esse sistema produz endorfinas e é inervado por neurônios que utilizam a serotonina como neurotransmissor químico. A deficiência de serotonina levaria à hipofunção desse sistema analgésico e o paciente apresentaria esta dor de cabeça.

Existem basicamente dois tipos de dor de cabeça tensional: as episódicas e as crônicas.

1 – As dores de cabeça do tipo tensional episódicas são extremamente comuns, moderadas e geralmente não incapacitam o paciente. Porém, assumem caráter problemático e incômodo quando passam a ocorrer mais de 15 dias por mês, configurando o caráter crônico. As dores de cabeça do tipo tensional episódicas acometem 87% da população geral, segundo estudo feito na Dinamarca. Há estudos epidemiológicos que atestam a prevalência dessas dores de cabeça em 84% das mulheres e em 67% dos homens.

2  – A dor de cabeça do tipo tensional crônica, por sua vez, é muito menos comum, acometendo 3% da população adulta.

Como reconhecer a dor de cabeça do tipo tensional?

A dor de cabeça do tipo tensional geralmente se caracteriza da seguinte forma:

. Em peso ou pressão ou aperto, muitas vezes simulando uma faixa ou capacete apertado em volta da cabeça;

. Habitualmente localizadas na fronte e/ou na nuca e topo da cabeça;

. De intensidade leve a moderada ou moderada, não impedindo as atividades rotineiras diárias;

. Não raro essa dor melhora com atividade física ou relaxamento;

. Normalmente não há sintomas associados e alguns pacientes podem se queixar de intolerância, durante a dor, a ruídos mais intensos (fonofobia);

. A dor pode durar de horas a até sete dias;

. Frequência pode variar muito, com pacientes apresentando dor menos de uma vez por mês, enquanto outros, mais de 15 dias em cada 30 (forma crônica).

Cérebro-Post-11.12.2015-1

– O que é enxaqueca?

Os pacientes com enxaqueca receberam de alguém da família os genes da doença. Embora em apenas um tipo mais raro de enxaqueca, a hemiplégica familiar, tenha sido evidenciado o cromossomo 19 como responsável pela transmissão de um parente para outro, aceita-se hoje que os demais tipos, inclusive os mais comuns, como a enxaqueca sem aura, também sejam herdados através de genes.

Como reconhecer a enxaqueca em linhas gerais;

As crises de enxaqueca apresentam-se como:

. Dor pulsátil ou latejante (podendo ser em pressão ou aperto) nas regiões da fronte e têmpora;

. A dor se apresenta mais de um lado da cabeça (em 40% dos pacientes é dos dois lados);

. A intensidade é moderada a severa ou severa;

. Geralmente incapacita o paciente para as suas atividades normais;

. Se inicia leve e progressiva;

. Piora com esforços ou atividades físicas;

. Duram em média de 4 a 72 horas quando não são tratadas ou o são de forma ineficaz, geralmente terminando de forma gradual.

São associadas a pelo menos dois dos sintomas abaixo:

. Enjôo ou vômitos;

. Intolerância à claridade ou a ruídos (foto e fonofobia).

Após as crises, algumas pessoas sentem-se ótimas, enquanto outras, como se um “trator” tivesse passado por suas cabeças, sentindo, inclusive, dor intensa no couro cabeludo.

Sinais de alerta

Há pessoas que sentem que vão ter uma crise de enxaqueca antes de a dor aparecer, a partir de “avisos” que o organismo pode fornecer. Por vezes, estes avisos se iniciam inespecíficos, um dia ou algumas horas antes, com sensações do tipo:

. Desconforto na cabeça;

. Bocejos frequentes;

. Irritabilidade;

. Perda da capacidade de concentração ou raciocínio;

. Diarreia;

. Desejo exagerado por algum tipo de alimento ou aversão total;

. Desconforto abdominal;

. Palidez (muito frequente em crianças).

Esses sinais chamam-se PRÓDROMOS e não estão presentes em todos os sofredores de enxaqueca, ou então, em um mesmo paciente, estão presentes antes de alguns episódios, mas não de todos. Quando os sinais são mais intensos, antecedendo a crise em menos de duas horas e apresentando-se como dormência ou diminuição da força muscular em um lado ou parte do corpo, observação de pontos ou raios luminosos ou brilhantes e perda total ou parcial de uma parte do campo de visão, os chamamos de AURA.

Cérebro-Post-11.12.2015-2

– Tipos de Dor de Cabeça

1 – Dor de cabeça provocada por tensão

Esta é de curta duração, mas volta a atacar de tempo em tempo, quando não se combate a causa. Ela é em geral o resultado da fadiga e das tensões diárias. Ocasionalmente, esta dor de cabeça muito frequente indica a presença de males crônicos, como anemia, pressão alta ou uma doença nos rins. A aspirina ajuda a aliviar a dor, mas não se deve tomar mais do que dois comprimidos de cada vez. Se necessário, repete-se a dose quatro horas mais tarde. Algumas medidas preventivas podem ser efetuadas, como tentar relaxar mais e evitar situações de tensão. Se isso não der resultado e as dores de cabeça voltarem a ocorrer, consulte um médico.

2 – Dor de cabeça relacionamento com excessiva emocional

A dor que começa durante o dia e aumenta de intensidade no final da tarde é, em geral, o resultado de uma tensão intensa e prolongada, muitas vezes acompanhada de depressão e de outros distúrbios psicológicos. Os analgésicos aliviam a dor temporariamente, mas, se ocorrer todos os dias, é importante ir ao médico. Caso ocorram outros sintomas, como perda de peso ou dificuldades para dormir, porque eles podem ser indícios de uma depressão mais séria.

3 – Dores de cabeça em pessoas idosas

As dores de cabeça que afetam as idosas em geral têm causas mais graves do que as que ocorrem em pessoas jovens. Uma dor intensa pode ser um dos sintomas do herpes-zoster, popularmente, conhecido como cobreiro (uma infecção causada por vírus), ou de uma doença dos ossos localizada em torno do globo ocular pode indicar a presença de glaucoma (pressão anormalmente alta no globo ocular). A dor de cabeça que vem acompanhada de perda de peso e de sensibilidade no couro cabeludo pode ter como causa uma inflamação das artérias que irrigam o couro e os olhos. Tratamento: todos estes casos requerem urgentes cuidados médicos.

4 – Dor de cabeça provocada por infecção

Este tipo de dor, bastante comum em crianças é, em geral , acompanhado de febre provocada por dor de dente, sinusite ou infecção no ouvido. Tratamento: a criança deve ficar em repouso, com o quarto na penumbra. Além de aspirinas infantis, deve-se dar a ela uma grande quantidade de líquidos. É sempre bom, todavia, consultar um médico.

Cérebro-Post-11.12.2015-35 – Dor de cabeça provocada por sinusite

Ela ocorre em pessoas de qualquer idade quando os seios nasais (cavidades existentes em torno e atrás do nariz) ficam congestionados e, em seguida, infeccionados. A dor manifesta-se na testa e nas faces, o nariz fica obstruído e os olhos lacrimejantes. Tratamento: quando as inalações, que devem ser feitas duas vezes por dia, não resolvem, o médico em geral receita um descongestionante nasal ou antibióticos. Dor de cabeça diretamente associada à fadiga ocular, Muitas dores de cabeça começam atrás ou em volta do globo ocular depois que uma pessoa lê ou escreve durante um tempo prolongado. Elas são quase sempre provocadas pela tensão nos músculos do pescoço, deve-se consultar um oftalmologista.

6 – Dor de cabeça associada a dores no pescoço

Muitas vezes ela provém de uma dor que tem início no pescoço, estende-se para os músculos do couro cabeludo, passando a afetar a parte posterior da cabeça, as têmporas e o fundo dos olhos. Esse tipo de dor de cabeça é muito comum depois dos 50 anos de idade, quando muitas pessoas passam a sofrer de dores reumáticas, de fibrosite ou ligeira artrite no pescoço. Tratamento: as pessoas que sofrem regularmente desse mal não podem expor-se a correntes de ar. Devem usar encostos especiais no banco do carro e observar uma postura correta. Qualquer pessoa que sofra ataques frequentes desse tipo de dor de cabeça deve consultar um médico, que receitará analgésicos anti-inflamatórios e recomendará outros tipos de tratamentos, como massagens, relaxantes musculares ou o uso de um colete ortopédico.

7 – Dor de cabeça provocada por pancadas e ferimentos

Por mais leves que possam ser, um ferimento ou uma pancada na cabeça costuma provocar dores, muitas vezes acompanhadas de espasmos musculares e de tonturas. Estas dores desaparecem com o tempo, mas podem ser intensificadas pela ansiedade que provocam. Tratamento: o tratamento médico imediato nesses casos consegue aliviar a dor e diminuir sua frequência e, algumas vezes, o médico recomenda um programa gradativo de exercícios.

8 – Dor de cabeça provocada por problemas cerebrais graves

As dores de cabeça raramente têm como causa um problema grave no cérebro, como um tumor ou um abscesso. Mesmo quando existe um tumor cerebral, a dor de cabeça é um sintoma que ocorre apenas nos estágios avançados da doença e, em geral, é mascarada por sintomas mais acentuados, como fraqueza e formigamento nos braços e nas pernas, distúrbios da fala vômitos e rigidez dos músculos do pescoço. Contudo, é extremamente improvável que a dor de cabeça ocorra como o único sintoma deste tipo de problema.

– Dores de cabeça consideradas preocupantes

Segundo o Neurologista Leandro Teles (formado e especializado pela Universidade de São Paulo): “Existem alguns tipos de dor de cabeça mais preocupantes, é fundamental atentar para o padrão da dor, sua evolução no tempo, os sintomas associados e o contexto que gerou seu aparecimento”. Para organizar de maneira objetiva e didática, temos aqui enumerados os principais sinais de gravidade e explicar porque nestes casos não dá pra esperar.

1 – Dor de cabeça súbita

Um dor de cabeça repentina, explosiva, que atinge seu ápice de intensidade em poucos segundos, é muito preocupante. Para o médico que escuta esse tipo de queixa fica o receio da ruptura ou distensão de um aneurisma cerebral (que é uma dilatação de uma artéria que pode eventualmente romper durante a vida). As dores mais comuns e benignas geralmente começam mais leves e a intensidade aumenta progressivamente em minutos a horas.

2 – Dor de cabeça com sintomas neurológicos associados

Sempre que a dor vier acompanhada de outro sintoma neurológico focal o atendimento deve ser imediato. Atentar para fraqueza muscular em alguma parte do corpo, alteração de sensibilidade, confusão mental, alteração visual ou dificuldade para falar ou caminhar. Nestes casos o receio é que haja algumas coisas causando a dor e alterando a função de alguma parte do cérebro, como tumores, abcessos, sangramentos, isquemias, trombose, etc….

3 – Dor de cabeça com sinais de infecção

Preste muita atenção e corra para um médico se sua dor de cabeça for acompanhada de febre, dores no corpo, náuseas, dificuldade de movimentar o pescoço, manchas pelo corpo ou mesmo calafrios.  Esse tipo de associação pode significar uma meningite, um abscesso cerebral, uma sinusite ou mesmo dengue. Obviamente que infecções mais leves também podem causar dor na cabeça e mal estar, como gripes e diarreias virais, mas nestes casos médico saberá como diferenciá-las.

4 – Dor de cabeça que surge durante esforço físico ou atividade sexual

Em casos em que a dor iniciou-se durante o esforço ou atividade sexual novamente surge o temor da distensão ou ruptura de um aneurisma cerebral (o esforço aumenta a pressão nesse vaso e pode predispor ao seu rompimento). Identificada essa associação temporal entre a atividade e o início da dor uma investigação mais detalhada precisa ser feita para tranquilizar o médico e o paciente.

5 – Dor de cabeça em pessoas mais debilitadas

Dores em pessoas acima de 60 anos, antecedente de tumores, problemas de coagulação, imunidade baixa, gestantes, crianças pequenas, etc., merecem uma atenção toda especial. Nesses pacientes, a fragilidade torna a ocorrência de um problema mais preocupante mais provável que na população geral. Por isso, todo o cuidado com eles é pouco.

6 – Dor de cabeça progressiva

Aquela dor que acomete o paciente diariamente e que mostra-se pior a cada dia é, sem sombra de dúvida, um bom motivo para procurar rapidamente um neurologista. Esse tipo de evolução arrastada e progressiva é típico de lesões que ocupam espaço dentro do crânio, como tumores, trombose venosa, abscesso, etc.. Esse comportamento não é tão comum para enxaquecas e dores de cabeça tensionais, que geralmente mostram períodos de piora intercalados com melhora ou, eventualmente, uma dor de cabeça diária, mas estável (não progressiva).

7 – Dorr de cabeça após traumatismo craniano

Muito cuidado com dores que surgem após traumatismo relevante na cabeça. O trauma pode gerar inchaço, contusões e mesmo sangramentos dentro e em torno do cérebro. As pessoas mais susceptíveis a complicações de trauma são os idosos, as crianças pequenas e os alcoólatras. Atente para dor que ocorre fora do local exato da batida, para sintomas neurológicos como confusão e sonolência, para secreção saindo do ouvido ou pelo nariz (surgida após a pancada) e hematomas atrás da orelha ou abaixo dos olhos (sinais de traumas mais intensos). Na dúvida é sempre melhor conduzir essas pessoas a um pronto atendimento.

(Nota pessoal: Importante destacar que essas são dicas gerais e não regras absolutas. Sempre que a dor de cabeça te incomodar muito e alterar o seu ritmo de vida é fundamental procurar ajuda especializada e de confiança para se certificar do diagnóstico exato e programar seu tratamento o quanto antes, mesmo que ela não preencha nenhum critério citado acima.)

Fonte – Neurologista Leandro Teles (CRM 124.984) – www.leandroteles.com.br

Cérebro-Post-11.12.2015-4– Enxaqueca – Passo a passo

A enxaqueca não é um problema grave mas algumas vezes chega a causar sérios transtornos na vida de uma pessoa sujeita a crises constantes. A enxaqueca ocorre em intervalos irregulares e as crises duram entre 2 e 30 horas. A dor quase sempre se localiza num lado da cabeça e vem acompanhada de perturbações da visão, náuseas e vômito. Outros sintomas que podem ocorrer são alterações de humor, sede ou fome anormais e perturbações do sono. As crises assumem formas diferentes durante a vida do paciente. Por exemplo, em algumas mulheres nas quais as crises parecem estar associadas aos ciclos menstruais, outros sintomas, como tonturas substituem as dores de cabeça à medida que elas entram na menopausa.

– O ataque de Enxaqueca – Sintomas e Mecanismos

O ataque de enxaqueca parece ser causado por uma mudança na sensibilidade dos vasos sanguíneos da cabeça. No início da crise, alguns desses vasos se contraem, provocando uma redução no suprimento de sangue para parte da cabeça e do cérebro. Esse fato faz surgir alguns sinais, como embaraçamento da vista e dormência, que ocorrem antes de algumas crises de enxaqueca. À medida que a constrição desaparece, os vasos sanguíneos se dilatam e o paciente sente uma dor de cabeça latejante que, em geral, afeta apenas um dos lados da cabeça.

– Causas da Enxaqueca entre homens e mulheres

Nem sempre é possível identificar o fator que desencadeia esse transtorno nos vasos sanguíneos da cabeça. Por exemplo, uma crise extremamente violenta às vezes ocorre sem uma causa aparente, depois de um longo período sem nenhuma crise.

Nos homens, principalmente, as crises de enxaqueca costumam ocorrer nos fins de semana ou durante um feriado, provavelmente como resultado do relaxamento que se segue após uma semana de trabalho. Um sono prolongado, uma mudança nos hábitos alimentares ou o excesso de bebida também podem ser parcialmente responsáveis pela crise. Outros fatores que causam uma crise de enxaqueca são: ansiedade, choque emocional, fadiga, mudanças súbitas de temperatura, iluminação inadequada e inalação de poluentes.

Tipos de enxaqueca

Muitos tipos diferentes de enxaqueca já foram identificados. Estão descritos abaixo os tipos mais comuns:

1 – Enxaqueca comum

As dores de cabeça frequentes podem afetar apenas um lado da cabeça ou ambos, e duram entre 2 e 30 horas; algumas vezes elas vêm acompanhadas de náuseas e vômitos. Também podem ocorrer perturbações da visão ou cegueira parcial, embora estes sintomas estejam normalmente associados à enxaqueca clássica. A enxaqueca comum se inicia, em geral, na puberdade e afeta um em cada dez adultos. Por outro lado, uma em cada cinquenta pessoas sofre de enxaqueca clássica, e outros tipos são mais raros.

2 – Enxaqueca clássica

Uma crise de enxaqueca clássica provoca uma dor latejante num dos lados da cabeça. Ocorrem outros sintomas, como cegueira temporária ou parcial, vômitos e extrema sensibilidade a luz e a sons.

3 – Enxaqueca basilar

As mulheres jovens são as mais afetadas por esse tipo de enxaqueca que está associada ao transtorno de uma artéria específica que irriga a parte posterior do cérebro. Os sintomas que acompanham esse tipo de dor de cabeça são tonturas, cegueira temporária e desmaios.

4 – Dor de cabeça múltipla

Considerando um tipo de enxaqueca, afeta quase exclusivamente os homens. A dor surge em intervalos regulares, uma ou duas vezes por dia, e dura 1 ou 2 horas; em geral, o paciente já acorda de manhã com dor de cabeça. A ingestão de bebida alcoólica muitas vezes desencadeia um ataque desse tipo. A dor intensa e penetrante ocorre em volta do olho, do ouvido ou da face, ela às vezes vem acompanhada de lacrimejamento, congestão nasal e vermelhidão no lado afetado.

Tratamento: o paciente deve repousar num quarto às escuras e tentar dormir. Analgésicos são extremamente eficazes quando tomados bem no início da crise. Se os analgésicos comuns não surtirem efeito, consulte um médico. Ele receitará medicamentos e, eventualmente, tranquilizantes, que deverão ser tomados com regularidade para prevenir ou atenuar as crises.

5 – A enxaqueca e a dieta alimentar

Você precisa descobrir se o que originou a enxaqueca foi algum dos alimentos que costumam provocar uma crise, e começar a reintroduzi-los aos poucos. Você então poderá constatar se existe uma ligação entre um determinado alimento e a frequência das crises.

– Como diferenciar AVC e aneurisma de dor de cabeça

O Dr. Sérgio Tadeu Fernandes, do Instituto Brasileiro Integrado de Neurociências (iBrain) esclarece que, antes de qualquer coisa, é preciso identificar os dois tipos de dor de cabeça existentes: a dor de cabeça primária e a dor de cabeça secundária.

“A primária ocorre quando a dor de cabeça pode ser definida como o próprio problema. A dor é a doença, ela não é sintoma. Por exemplo: a enxaqueca é simplesmente a enxaqueca e, na maioria dos casos, não evidencia outro problema mais grave”, diz o médico. Já a secundária ocorre quando a dor de cabeça é o sintoma de alguma outra doença, geralmente mais crítico e com riscos de sequelas ou morte. “No caso, alguns tipos de derrame podem ter a dor de cabeça como sintoma. Nesse caso, ela é secundária, e é a ela que devemos estar atentos nos casos de AVC”.

– Dor de cabeça forte: é AVC?

Nem todo derrame se manifesta com dores de cabeça, diz Sergio. Mas, em alguns casos, a dor pode, sim, ser sintoma de AVC. O médico explica que há duas características fundamentais que tornam a dor de cabeça preocupante. Um dos sintomas do Acidente Vascular Cerebral (AVC) – doença que mais mata no Brasil, segundo pesquisa feita pelo Ministério da Saúde – é a dor de cabeça.  Muitas vezes, uma simples enxaqueca é confundida com sinais de um aneurisma cerebral, e o socorro não é prestado de forma adequada, no tempo certo.

A primeira característica é o início da subida. A dor é muito aguda, muito forte, e começa de repente e já em sua maior intensidade. “É uma dor atípica, que não se costuma sentir sempre, com essas características precisas”, especifica o neurocirurgião.

A segunda característica é a dor de cabeça que muda de padrão. Vamos supor, por exemplo, que você está já “acostumada” com um certo tipo de enxaqueca, uma dor latejante, que começa fraca e vai aumentando. E que um determinado tipo de analgésico costuma funcionar para você no combate a esse desconforto. “É preciso ficar atento a qualquer mudança no padrão de dor. Se ela começa a vir com mais frequência ou intensidade, se o remédio que antes funcionava não adianta mais, ou caso a dor apareça em algum momento que não costumava aparecer: tudo isso é sinal de alerta e pede uma ida ao pronto-socorro”, recomenda.

Algumas vezes, a dor de cabeça vem acompanhada de sintomas clássicos do AVC: alterações de comportamento, sonolência, paralisação de um dos lados do corpo ou do rosto, desmaios, perda da capacidade da fala, entre outros. Nesses casos, mesmo que não haja dor de cabeça, deve-se ir imediatamente ao hospital.

Cérebro-Post-11.12.2015-5– Aneurisma, AVC isquêmico e AVC hemorrágico

O neurocirurgião esclarece as diferenças entre os problemas e alerta: “O AVC mais frequentemente confundido com dor de cabeça primária é o hemorrágico”.

. Aneurisma: é uma dilatação anormal de algum vaso sanguíneo do cérebro. “É como se fosse um ponto fraco. Eu costumo comparar a um encanamento que não funciona. Só se percebe que há um cano com defeito se começar uma infiltração ou ele estourar. É a mesma coisa no cérebro: o aneurisma é descoberto, normalmente, quando se sofre um tipo de AVC”, explica Sérgio.

– O AVC que dá mais dor de cabeça, é o hemorrágico

AVC ou derrame cerebral: é uma consequência do aneurisma, e pode ser de dois tipos:

. AVC Hemorrágico: quando ocorre a ruptura do aneurisma, com sangramento;

. AVC Isquêmico: o vaso cerebral entope, o sangue não circula adequadamente e a área comprometida acaba sofrendo uma isquemia – ela deixa de ser irrigada e causa sequelas. É o tipo de AVC mais frequente (cerca de 80% dos casos), segundo Sergio.

O médico diz que não existe um tipo mais grave de AVC: os dois são igualmente perigosos em termos de risco de morte e sequelas, dependendo da extensão da área do cérebro que é comprometida. Além disso, não há diferenças entre os sintomas de cada um dos dois. “Só é possível diferenciar depois, em exames muito específicos, como a tomografia ou a ressonância”.

– Tempo de ação no AVC: crucial para salvar vidas e anular ou diminuir sequelas

De acordo com Sérgio, o mais importante é agir com rapidez, caso algum dos sintomas apareça, incluindo a dor de cabeça secundária com as duas características preocupantes (súbita e fora do padrão habitual). “O tempo é essencial: quanto mais rápido o socorro e o diagnóstico, maiores as chances de minimizar ou até mesmo eliminar 100% as sequelas”, informa o neurocirurgião.

– O mais indicado é tratar o doente no hospital

E qual é esse tempo de ação? “Seis horas depois da manifestação do primeiro sintoma de AVC”, diz Sérgio. “Se o paciente chegar ao hospital até seis horas após o primeiro momento dessas alterações, é possível tratar o derrame e dissolver o quadro. Fora disso, dá para minimizar as complicações, mas a chance de ir a óbito ou ficar com sequelas permanentes é muito grande”. Uma particularidade, no entanto, é quando a pessoa vai dormir e acorda com os sintomas. Nesse caso, é preciso levar em consideração o último momento em que o paciente foi visto sem as anormalidades.

– Por que o AVC mata tanto?

A doença vitima uma pessoa a cada cinco minutos no Brasil, de acordo com um estudo do Ministério da Saúde. E a razão para isso, segundo Sérgio, é que a maioria das pessoas subestima os sintomas do derrame cerebral. “É um quadro extremamente crítico: estamos falando em morte, comprometimento da fala, dos movimentos, coma, sequelas graves e que podem ser permanentes”, ressalta o neurocirurgião. Por isso, correr para o médico caso suspeite de alguma coisa pode ser determinante no tratamento da doença.

– Grupos de risco do derrame cerebral

Cérebro-Post-11.12.2015-6Consumidores de bebida alcoólica e fumantes estão entre os que têm mais chances de ter um AVC. De modo geral, são os mesmos para o infarto do coração. “O AVC é uma doença dos vasos que se manifesta no cérebro. Sendo assim, todos os vasos do corpo estão comprometidos”, esclarece o profissional. Pessoas com pressão alta, sedentários, fumantes, diabéticos, usuários de álcool e drogas são alguns dos que estão mais sujeitos a ter derrame cerebral. O stress é outro fator de risco.

– 5 passos para aliviar a dor de cabeça sem remédios

Geralmente, com estas medidas, a dor de cabeça passa no próprio dia, no entanto, se a dor for causada por febre, gripe ou outras infecções, por exemplo, é importante consultar um médico para tratar a dor de cabeça corretamente.

Cérebro-Post-11.12.2015-7Porém, os 5 passos para aliviar a dor de cabeça em casa, sem remédios incluem:

1. Tome um banho quente: o banho quente ajuda a dilatar os vasos sanguíneos e a relaxar o corpo, trazendo um alívio momentâneo da dor de cabeça;

2. Deite em um local fresco sem luz e sem ruído: os estímulos externos como ruído ou luz podem agravar a dor de cabeça, por isso, é importante se sentir relaxada, deitando-se em um local fresco e com pouca luz e sem barulho.

Cérebro-Post-11.12.2015-83. Massageie as têmporas e a nuca: esta massagem aplica pressão nas têmporas, que se localizam na região lateral da testa e na nuca e na cabeça, ajudando a aumentar a circulação sanguínea e a relaxar os músculos, aliviando a dor de cabeça.

4. Coloque uma compressa fria na testa, nas têmporas e na nuca: a compressa de água fria promove a contração dos vasos sanguíneos da cabeça, diminuindo o volume de sangue e aliviando as dores de cabeça.

5. Beba 1 xícara do chá de gengibre: o chá de gengibre tem propriedades analgésicas e anti-inflamatórias, que ajudam a aliviar a dor de cabeça. Basta colocar 2 cm de raiz de gengibre em uma xícara de água, deixar ferver por 5 minutos, coar, deixar esfriar e beber.

Além disto, a alimentação também pode ajudar a melhorar a dor de cabeça, através da ingestão de alimentos calmantes e que melhorem a circulação sanguínea.

– Quando ir no médico;

É recomendado ir no médico se:

. A dor de cabeça não melhorar em 3 dias com estas dicas;

. A dor de cabeça piorar, mesmo com estas dicas;

. Tiver febre ou outros sintomas como coriza, dor de garganta, mal-estar geral, náuseas ou vômitos, por exemplo.

Cérebro-Post-11.12.2015-9– Alimentos para tratar a dor de cabeça

Os melhores alimentos para tratar a dor de cabeça são os calmantes e os que melhoram a circulação sanguínea, como por exemplo banana, maracujá, cereja, e os alimentos ricos em ômega 3, como salmão e sardinha (Nota pessoal: para os vegetarianos, pode ser consumido através de óleo de linhaça dourada). A vantagem de adotar uma alimentação rica nesse tipo de alimento diariamente é evitar o uso frequente de analgésicos porque apesar de não tratar a dor de cabeça, esses alimentos podem adiar o aparecimento da dor de cabeça.

– O que comer para aliviar a dor de cabeça

Para ajudar a aliviar a dor de cabeça constante é importante comer 1 alimento dos descritos a seguir todos os dias, durante 3 semanas, para depois avaliar os resultados:

. Laranja, limão, kiwi, tangerina, morango – são alimentos ricos em vitamina C, que fortalece a parede dos vasos sanguíneos facilitando a circulação sanguínea no cérebro, além da sua propriedade diurética que ajuda a regular a pressão alta, que pode provocar dor de cabeça;

. Maracujá, cerejas, alface, canela – alimentos que ajudam a acalmar e a dormir melhor, facilitam o descanso do cérebro, evitando assim a dor de cabeça;

. sementes de chia, nozes, linhaça – ricos em ômega 3, esses alimentos diminuem a viscosidade do sangue, melhorando no cérebro a circulação sanguínea;

. Óleo de onagra pode ser consumido em cápsulas, 10 dias antes da menstruação quando a dor de cabeça está relacionada com a tensão pré menstrual;

. O chá de flores de lavanda, erva-cidreira ou camomila pode ser bebido ao longo do dia, 2 a 3 xícaras, para facilitar o relaxamento e assim diminuir a possibilidade de dores de cabeça.

Outra dica importante para aliviar a dor de cabeça é ter hábitos de vida regulares, como deitar e levantar na mesma hora e fazer as refeições sempre no mesmo horário, para que o organismo esteja regulado sem o estresse de sofrer alterações na sua rotina e assim diminuir as chances de dor de cabeça.

Cérebro-Post-11.12.2015-10

– Chá de capim-limão cura dor de cabeça

Também conhecido como capim-santo ou capim-cidreira, o capim-limão é uma grama que cresce em moitas nativa da Índia, país em que utiliza a planta na medicina ayurveda como medicamento ou condimento alimentar. Porém, como o Brasil tem condições climáticas parecidas com as regiões asiáticas, o capim-limão adaptou-se aqui e hoje nem se parece uma planta exótica, já que é encontrada com facilidade em campos e beiras de estradas.

Propriedades do capim-limão

Com cheiro cítrico que lembra o limão, característica que deu origem ao seu nome, o capim-limão é composto por citral, genariol, metileugenol, mirceno, citronelal, ácido cético e ácido capróico. Estas substâncias são capazes de agir como febrífugas, sudoríficas, analgésicas, calmante, antidepressivas, diuréticas e expectorantes.

Como usar o capim-limão

A planta pode servir como complemento medicinal em forma de chá ou em pó. Porém, dela também pode ser extraído um óleo essencial.

Benefícios do chá de capim-limão

Entre os principais benefícios do chá de capim-limão é possível destacar a ação analgésica que trata naturalmente dor de cabeça, febre e cólicas menstruais e as ações antiespasmódica e calmante, que contribuem para o controle da ansiedade, melhoram o sono e atuam como antidepressivos.

Cérebro-Post-11.12.2015-11Como fazer chá de capim-limão

Adicione em um litro de água fervendo 5 colheres de sopa da planta seca ou 20 folhas frescas cortadas em pedacinhos. Abafe por 20 minutos e coe. Tome o chá de capim-limão quente ou gelado três vezes ao dia.

Cérebro-Post-11.12.2015-12Como fazer suco de capim-limão

O suco de capim-limão pode ser uma alternativa para dias quentes ou para pessoas que não gostam de chá. A receita leva limão e hortelã, ingredientes que contém alta taxa de substâncias antioxidantes. Para fazer o suco calmante bata no liquidificador 40 folhas de capim-limão picadas, suco de 4 limões e 5 folhas de hortelã com 500 ml de água. Adoce a gosto.

– O que não comer para aliviar a dor de cabeça

Determinados alimentos não devem ser consumidos com frequência, especialmente por quem tem tendência a ter dor de cabeça, porque suas toxinas podem causar dor de cabeça.

Alguns exemplos de alimentos que podem causar dor de cabeça são:

. Alimentos muito condimentados e apimentados que aumentam a pressão arterial e retêm líquidos;

. Alimentos industrializados, como pré-preparados congelados por possuir muitos conservantes artificiais que intoxicam o organismo podendo causar dor de cabeça;

. Versão light dos alimentos porque possui muitos adoçantes artificiais;

. Bebidas alcoólicas ou estimulantes, como café, colas ou guaraná, que estimulam o sistema nervoso central e podem provocar dor de cabeça.

Leia mais: Remédio caseiro para dor de cabeça – Principais causas e como evitar a dor de cabeça constante – Remédios para dor de cabeça – Tratamento caseiro para dor de cabeça – Remédio natural para dor de cabeça

Cérebro-Post-11.12.2015-13– Tratamentos holísticos para a dor de cabeça e enxaqueca

Os tratamentos holísticos recomendados da Medicina Chinesa:

As técnicas da medicina chinesa são usadas para promover o equilíbrio energético do seu organismo de forma natural, combatendo distúrbios de saúde comuns nos dias de hoje. Para a Medicina Chinesa o corpo capta as energias da natureza, em especial do sol, distribuindo toda essa energia para o organismo, através dos canais invisíveis denominados meridianos. Tratamentos mais comuns são para: Stress, depressão, problemas respiratórios, problemas digestivos, TPM, enxaqueca, ansiedade, dores de coluna, tendinite, bursite, insônia, obesidade, tabagismo, dores em geral.

– A acupuntura atua em vários níveis do cérebro:

. Ativando um circuito denominado sistema supressão da dor (também conhecido como sistema inibitório descendente);

. Promovendo a liberação de endorfinas (substâncias semelhantes à morfina, fabricadas nos neurônios, que promovem sensação de alívio da dor e bem-estar);

. Aumentando os níveis de serotonina no líquor e tronco cerebral inferior;

. Diminuindo a liberação de substâncias cerebrais relacionadas à dor.

. O efeito da acupuntura numa crise de enxaqueca pode ser muito rápido, com graus de alívio que podem ser muito grandes. E sem os efeitos colaterais dos medicamentos!

. A acupuntura pode, também, ser utilizada periodicamente fora das crises de enxaqueca, com o objetivo de preveni-las.

– Massagem relaxante:

. Além do relaxamento e do apoio emocional que oferece, a massagem, é benéfica devido à sua influência sobre diversos processos orgânicos;

. Ativa a circulação e ajuda a eliminar toxinas, reduz o desconforto físico, alivia as dores, induz uma sensação de bem estar assim como estimula o sistema imunológico;

. É uma poderosa arma para nos livrarmos do stress e para recuperarmos a nossa saúde e o nosso bem estar.

– A Cromoterapia como tratamento para a dor de cabeça

A cromoterapia é a ciência que estuda as diferentes cores e sua ação energética para fins terapêuticos. Ela utiliza estímulos com determinadas frequências luminosas para restaurar, manter ou alternar as vibrações do corpo que resultam em saúde, física e mental, bem-estar e harmonia. Quando há o excesso ou ausência de uma determinada cor, ocorre o que os cromoterapeutas chamam de desequilíbrio energético, levando o organismo a responder negativamente, gerando distúrbios físicos, mentais e emocionais.

– Formas de tratamento para a dor de cabeça

Dor de cabeça: banho de luz azul, localizado e ingestão de água solarizada, quantas vezes for necessário.

Água Solarizada: Para fazer a água solarizada você pode usar garrafas ou copos SEMPRE DE VIDRO, coloridos ou revestidos (por fora) com papel celofane. Use sempre água filtrada ou da fonte, não encher até a borda. Coloque a garrafa ou o copo no sol (entre 8 e 11 horas) para que a água possa ser energizada. O tempo necessário para energizar a água dependerá da intensidade do sol. Quando o dia está nublado ideal deixar a manhã inteira, quando o dia está ensolarado bastam 2 horas. O ideal é preparar água solarizada todos os dias, pois algumas cores deterioram-se em pouco tempo. Por exemplo as cores quentes (vermelho, laranja e amarelo) deterioram-se em 2 dias, as cores frias, podem durar até uma semana se guardadas na geladeira.

Lâmpadas coloridas: adaptar spots (fixo) ou bastão com bocal com lâmpadas de 25 watts com a cor necessária para o tratamento. No caso do spot fixo, as lâmpadas devem ser direcionadas para a região afetada no paciente, que pode estar deitado ou sentado. No caso do bastão, você pode aplicar em movimentos circulares, no sentido horário, numa distância de 5 a 10 cm da pele. Pode-se usar uma lanterna onde as janelas coloridas são trocadas de acordo com a necessidade. O tempo de exposição de cada cor varia de 3 a 10 minutos.

Janelas coloridas: por onde os raios de sol penetram (de preferência no período da manhã), você pode colocar papel celofane na cor necessitada. Sente-se sob a projeção da luz. Tempo de exposição aproximadamente 5 a 10 minutos.

Leia também: Água Solarizada & Cromoterapia

Cérebro-Post-11.12.2015-14– Óleos Essenciais para tratar a dor de cabeça – A Aromaterapia

Dores de cabeça podem ser tratadas com Óleos Essenciais, de maneira natural e sem contraindicações, para que o incômodo seja rapidamente aliviado. Quando inalados, usados nas têmporas ou em compressas frias, os Óleos Essenciais aliviam dores de cabeça causadas pela tensão e sinusite.

Existem maneiras naturais de aliviar dores de cabeça e uma delas é usar a Aromaterapia. Essa ciência trata doenças por meio dos Óleos Essenciais – substâncias retiradas de plantas que trazem todos os benefícios terapêuticos delas concentrados em apenas uma gota. Como há várias causas para as dores de cabeça, também temos vários Óleos Essenciais que podem tratá-las de maneira bastante eficaz. Várias pessoas optam pela Aromaterapia tanto por se tratar de um método natural quanto para não depender da alopatia, já que os medicamentos tradicionais, em muitos casos, não fazem bem ao organismo.

Cérebro-Post-11.12.2015-15O Óleo Essencial de Lavanda é um dos mais indicados para as dores de cabeça. Trata-se de um óleo muito seguro, de aroma de fácil aceitação e que pode ser usado até mesmo com crianças, idosos e pessoas convalescendo de outras doenças. Muitas vezes, dores de cabeça são causadas por tensão e estresse e a Lavanda é indicada para o relaxamento, sendo perfeita para se usar à noite, pois também ajuda a adormecer e a dormir em paz. Use-o em um Aromatizador Plug, colocando 20 gotas de Óleo Essencial de Lavanda com 5 gotas de Óleo Essencial de Limão Siciliano e 5 gotas de Óleo Essencial de Copaíba. Outro Óleo Essencial para a dor de cabeça é o de Hortelã Pimenta. Funciona bem em casos de dores por tensão e sinusite. Use-o aplicando nas têmporas (dilua uma gota em duas gotas de Óleo Vegetal de Calêndula ou Semente de Uva ou Girassol ou Creme Base Neutro, e em inalação, cheirando-o diretamente do frasco. Outro bom local para massagem para tratar uma dor de cabeça é na região do peito e do pescoço. O Óleo Essencial de Hortelã Pimenta é muito eficaz no alívio de dores de cabeça por congestão nasal, se inalado. Ele ajuda a acabar com o congestionamento que causa a pressão nos seios da face e com a dor.

Cérebro-Post-11.12.2015-16Outro método de utilização de Óleos Essenciais para a dor de cabeça é colocar algumas gotas de Óleo Essencial em uma bola de algodão, tecido, lenço, ou alguma parte de algum tecido. Inspire profundamente do pano de tempos em tempos, até que a dor de cabeça diminua. Para as dores de cabeça, os Óleos Essenciais também podem ser adicionados em compressas frias. Em seguida, mantenha a compressa sobre a testa para o alívio da dor de cabeça. O Óleo Essencial de Lemongrass (capim cidreira) também é indicado para dores de cabeça proveniente de ressacas. Usar em compressas frias na testa, sempre diluindo os Óleos Essenciais em álcool e, após, colocar em água. Use 10 gotas de Óleos Essenciais em uma colher de café de álcool e, depois, dilua este em 20 ml de água gelada para molhar o pano da compressa.

Cérebro-Post-11.12.2015-17– Mitos e Verdades sobre a dor de cabeça

1. Nervosismo causa dor de cabeça?

Em termos. Para pessoas portadoras de enxaqueca, o quadro emocional funciona como fator desencadeante da dor e não como causa. No entanto, em algumas situações o nervosismo pode ser mesmo a causa do problema, como no caso da cefaleia do tipo tensional.

2. Passar por longos períodos sem se alimentar pode causar dor de cabeça?

Sim. A hipoglicemia (baixa das taxas de açúcar no sangue) pode causar a dor de cabeça.

3. Dor de cabeça pode ser sinal de miopia?

Sim. Mas, normalmente, as dores de cabeça por causas oftalmológicas têm características próprias e se resolvem com a correção do erro de refração feita pelo uso de óculos, lentes de contato ou cirurgia.

4. Alguns alimentos pioram a enxaqueca?

Sim. Especialmente chocolate, embutidos, enlatados, frutas cítricas e ácidas e bebidas alcoólicas. No entanto, não se recomenda regimes alimentares restritivos enquanto alimentos ou bebidas não forem identificados como fatores deflagradores das crises.

5. O uso frequente de analgésicos pode causar dores de cabeça?

Sim. Vários trabalhos científicos têm mostrado que o abuso de analgésicos é um fator de risco para a enxaqueca crônica. Quando falamos de abuso, pensamos em grande quantidade, mas na verdade o limite de consumo de analgésicos é estreito.

6. A dor de cabeça pode ser indício de doença mais grave?

Sim. A dor de cabeça, além de ser um sintoma, também pode ser a própria doença. No caso das cefaleias primárias, sem causa aparente, a dor é a própria doença. Mas ela pode ser decorrente de alguma outra doença, ao que chamamos de cefaleia secundária. Por meio de exame clínico e/ou neurológico, o médico poderá observar alterações que denunciam a presença de alguma outra patologia.

7. Quando saber o momento em que a dor de cabeça deve motivar uma visita ao médico?

A dor de cabeça constante deve sempre motivar a consulta médica. Como já comentamos, a cefaleia pode ser sintoma ou a própria doença e isso deve ser definido. Também devemos evitar a automedicação e o uso indiscriminado e descontrolado dos analgésicos, pois esse hábito funciona como um dos fatores de cronificação das cefaleias, piorando o problema. Para diferenciar o tipo de cefaleia e a melhor conduta para cada paciente, só mesmo um especialista, que poderá verificar a partir da história clínica e exame neurológico.

8. Como eu sei que a minha dor de cabeça é uma enxaqueca?

A enxaqueca é definida quando a dor dura de 4 a 72 horas, geralmente pulsátil, podendo também ser em peso ou pressão, e vir acompanhada de náuseas e/ou vômitos, intolerância a luz, barulho, cheiro e movimentos. Além disso, ela começa fraca e vai ficando forte, diferente de outros tipos de dores de cabeça, que já começam fortes ou permanecem sempre moderadas. É bom ressaltar que existem quase 300 tipos de dores de cabeça, portanto é fundamental uma avaliação médica com um especialista no assunto para um diagnóstico correto.

Cérebro-Post-11.12.2015-18– Como funciona a Aspirina?

Você já teve dor de cabeça? É provável que sim, quase todos nós temos dor de cabeça de vez em quando. E é provável que você tenha tomado algum remédio para aliviar esta dor. Esse remédio provavelmente era da família da aspirina.Talvez você tenha tomado aspirina ou outro medicamento da mesma família para outros problemas, como inflamação (edema de articulações ou de outras partes do corpo) ou febre. Mas você sabia que são consumidos cerca de 80 bilhões de comprimidos de aspirina por ano para esses problemas e muitos outros? A aspirina faz parte de uma família de substâncias químicas denominadas salicilatos (veja abaixo a química e a estrutura). Pessoas que se interessam pela medicina conhecem essas substâncias há séculos. No século V a.C., Hipócrates, um dos primeiros e mais influentes médicos, escreveu sobre um pó amargo extraído da casca do salgueiro capaz de aliviar dores e abaixar a febre. Em 1700, o cientista Rev. Edmund Stone escreveu sobre o sucesso da casca do salgueiro na cura da “malária”, ou febre acompanhada de dores. Com um pouquinho de investigação química, os cientistas descobriram que a parte da casca do salgueiro que era  amarga e boa para a febre e dor é uma substância química chamada salicina. Depois de ingerida, essa substância química pode ser convertida (alterada) pelo corpo em outra substância química, o ácido salicílico. Em 1829, um farmacêutico conhecido por Leroux mostrou que a salicina é esse ingrediente ativo do salgueiro, e durante muitos anos ele, o ácido salicílico (feito de salicina pela primeira vez pelo químico italiano Piria) e outras substâncias da mesma família foram usados em doses elevadas para tratar a dor e o edema em doenças como artrite e para tratar a febre em doenças como a gripe.

Cérebro-Post-11.12.2015-19Uma pergunta comum sobre a aspirina e outros medicamentos é: “Como ela sabe como chegar ao local da dor?” A resposta é que ela não sabe! Quando tomamos aspirina, ela se dissolve no estômago ou na parte seguinte do trato digestivo, o intestino delgado, onde é absorvida pelo organismo. Depois, ela entra na corrente sanguínea e passa pelo corpo todo. Embora ela esteja em toda parte, apenas atua onde há produção de prostaglandinas, que inclui a região da dor.

Podemos perguntar: “Por que temos de continuar tomando aspirina se ela funciona tão bem?” Como acontece com quase todas as substâncias químicas, o organismo tem maneiras de eliminar a aspirina. Neste caso, o fígado, o estômago e outros órgãos alteram a aspirina para… adivinhe! Ácido salicílico! Essa substância química então, lentamente, é alterada mais um pouco pelo fígado, que associa outras substâncias ao ácido salicílico de forma que os rins possam filtrá-lo, retirando-o do sangue e eliminando-o na urina. O processo todo leva de quatro a seis horas, por isso precisamos tomar outro comprimido nesse momento para manter o efeito.

Muitas pesquisas estão sendo feitas para descobrir se a aspirina pode ser usada para outros problemas, ela já deu alguns sinais promissores ao ajudar em problemas tão diversos quanto a catarata nos olhos, alguns tipos de câncer, doença gengival e pressão arterial elevada durante a gravidez. Como acontece com todos os medicamentos, a aspirina tem seu lado negativo. Ela causa efeitos sobre o organismo que nem nós nem o médico desejamos (efeitos colaterais). Alguns deles já foram mencionados, por exemplo, se você levar uma martelada no dedo e ele sangrar, a aspirina pode ajudar na dor e no edema, mas o sangue demorará mais para coagular e estancar o sangramento. Além disso, ela pode ser irritante para o estômago, sobretudo em doses elevadas, geralmente usadas na artrite. A aspirina também não é muito usada para febre em crianças porque pesquisas indicam que se empregada em crianças com gripe, catapora, ou outras viroses, a aspirina pode causar um problema potencialmente fatal chamado síndrome de Reye. Além disso, a aspirina altera o modo que os rins produzem urina, pode levar algumas pessoas a terem dificuldade de respirar (raramente), e pode ser perigosa em doses elevadas.

Fonte: Dr. Lucas Hoffman é residente da pediatria na Universidade de Washington em Seattle. Ele nasceu no Novo México e frequentou a faculdade na Universidade da Califórnia em Berkeley. Depois, estudou medicina e fez pós-graduação na Universidade da Califórnia em São Francisco, onde trabalhou na elaboração de inibidores de vírus, como o vírus da gripe e o HIV.

Leia mais: Uma aspirina por dia’ – apenas mais um clichê? – BayerAspirin.com – Síndrome de Reyeuma doença potencialmente fatal que ocorre em crianças que tiveram doença viral e podem ter tomado aspirina – RxList – Conselho Americano para Educação sobre Dor de Cabeça (ACHE) – Fundação Artrite – Como funcionam a aspirina e a NSAIDs (droga antiinflamatória não esteróide) – Aspirina – Brasil

Leia mais: Enxaqueca tem relação estreita com stress no trabalho – Dores de cabeça ocorrem em 72,8% de jovens estudantes, mostra pesquisa da FMRP – Pesquisa da USP revela que criança com dor de cabeça tem mais problemas de comportamento – Dores de cabeça podem estar associadas à má postura no trabalho

Links interessantes: Como funciona a dor – Como funcionam os nervos – Como funciona o seu cérebro – O que causa uma “dor de cabeça de sorvete”?

Mais links interessantes (em inglês) – American Council for Headache Education (ACHE) – National Headache Foundation – Headachecare.com – NINDS Headache Information Page

Posts relacionados: Reiki – O Poder Espiritual das Mãos – Como obter a cura usando a Energia Vital Universal – Os Cientistas da Nova Era – Eric Pearl – A Reconexão e o Poder de Curar – 21ª Parte – Cromoterapia – Outra Tecnologia Médica Reprimida – Vitamina D – A Vitamina Divina e a Relação com o nosso Sol Central – A Consciência da Água – O Poder da Água Diamante e Chaves para o Autoconhecimento e Cura – O Estudo do Eu Superior

Cérebro-Post-11.12.2015-20– Conclusão e Nota do Blog

As dores de cabeça são uma das queixas médicas mais comuns. Quase todas as pessoas têm dor de cabeça em algum momento da vida. Mais de 45 milhões de americanos (cerca de um em seis) sofrem de dor de cabeça crônica a cada ano. No Brasil, estima-se que 26 milhões de pessoas sofram do mal (fonte: Revista Veja). Portanto, as dores de cabeça têm um grande impacto econômico: quando você tem uma dor forte na sua cabeça, é difícil trabalhar. O custo destas dores de cabeça e as despesas médicas são estimados em torno de US$ 50 bilhões por ano. Ninguém sabe exatamente como funciona a dor. Na verdade, sabe-se muito sobre ela, mas quanto mais descobrimos, mais perguntas surgem. Por isso, vejamos uma perspectiva simplificada. Quando nos  machucamos ou estamos com algum problema, receptores especializados no local da lesão são ativados e conduzem esta informação por meio dos nervos até a medula espinhal e o cérebro. É no cérebro que esta informação é detectada e processada, e então a temos a sensação da dor. Isso tudo acontece em uma fração de segundo, mas muitas coisas acontecem durante esse pequeno tempo. Quando o sinal chega na medula espinhal, ela pode enviar mensagens para que se gerem reflexos para evitar o estímulo nocivo que está causando a dor: é assim que nossa mão se move rapidamente para longe de uma panela quente quando tocamos sem querer nela. Mesmo após esta resposta comportamental (mover a mão), o sinal que chegou na medula é conduzido até o cérebro para que aquele estímulo seja reconhecido como doloroso. O cérebro detecta e processa a presença de estímulos nocivos que podem causar dor de maneira complexa. A dor é um mecanismo de proteção, ela sinaliza que algo está errado e o cérebro a analisa para que possa tomar providências para consertar o problema. Até a memória está envolvida nisso: é pela memória que o seu cérebro sabe se a dor que você sente é perigosa ou não, se baseando nas experiências que você já teve no passado. Por isto quando vamos pegar em uma panela quente, após ter passado pela experiência de sentir dor ao encostar a mão na superfície quente, utilizamos algum utensílio para evitar que aconteça novamente. Mas, voltando a pergunta inicial que nos trouxe até aqui: Não, o cérebro não sente dor nele mesmo. Isso porque ele não possui receptores próprios de dor. Ele apenas recebe e processa as dores de todo o resto do corpo. Quando temos dores de cabeça, elas não são nosso cérebro doendo. Normalmente elas são relacionadas às redes neurovasculares, por onde circula todo o sangue que irriga nosso cérebro, às meninges, camadas que protegem o cérebro, aos músculos da cabeça, ou problemas em outras regiões como às mucosas dos seios da face que quando inflamam geram a sinusite. Embora o cérebro não sinta dor, ele é o órgão principal no processamento e reconhecimento dos estímulos que geram a dor. E como o cérebro não sente dor, cirurgias no cérebro podem ser feitas com o paciente acordado (apesar da anestesia local que permite as incisões). Isso inclusive facilita muito o trabalho do cirurgião, que pode ir conferindo enquanto trabalha se o paciente não está sendo gravemente afetado. Mesmo que a tecnologia ainda não esteja plenamente desenvolvida para tratar todas as dores, os pesquisadores esperam que, nos próximos anos, possamos levar ao desenvolvimento dos primeiros testes objetivos sobre a dor, ou contribuir para o estudo e o alívio da dor crônica.

EQUIPE DA LUZ É INVENCÍVEL

Bibliografia para consulta

O Super Cérebro – Deepak Chopra
O Cérebro que se Transforma – Norman Doidge
O Cérebro Criativo – Shelley Carson Ph.D
Treine a Mente e mude o Cérebro – Sharon Begley
Como Funciona o Cérebro – Série Mais Ciência
Vitalize seu Cérebro – John Arden
A Cura do Cérebro – Adriana Fóz

Nota: Biblioteca Virtual

Divulgação: A Luz é Invencível

A “Luz é Invencível” tem por norma não publicar links que não estejam ligados ao texto postado. Pedimos a compreensão de todos, e para qualquer dúvida, temos nossa caixa de sugestões onde todos podem livremente fazer suas colocações que serão arquivadas para consultas posteriores.
Nós agradecemos a compreensão de vocês.
Equipe da “Luz é Invencível”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s